CATÓLICO ACHA QUE A SUA IGREJA É A ÚNICA E VERDADEIRA PORTA DE SALVAÇÃO :


Faz-se necessário esclarecer que recebi algumas mensagens de pessoas que, discordando da Doutrina Espírita, insistem em dizer que a sua própria religião e Igreja são as únicas e verdadeiras deixadas por Cristo. O primeiro relato abaixo faz parte de uma resposta que enviei a um Católico, objetivando entendimentos e fazendo-o ver que não existe uma única Igreja e religião verdadeira, pois muitos são os caminhos que levam a Deus.


Sr. Paulo Pedrosa


O Senhor Diz : "...as pessoas que estudam a doutrina cristã e têm o mínimo de discernimento, não abraçam o espiritismo normalmente."

Muito bem. Acaso o Senhor conhece bem a Instituição que representa a "sua doutrina Cristã" ? ou seja, o Vaticano ? Pois bem. Aquele que deveria ser um exemplo de humildade e simplicidade de Cristo, já que a Igreja Católica se autointitula "a verdadeira representante de Cristo", acumula BILHÕES DE DÓLARES, aplicados no mercado Financeiro, enquanto que muitos de "seus fiéis" morrem de fome pelo mundo.

O Evangelho fala clara e repetidamente a respeito de posse de bens, de um modo que não deixa dúvidas. "Se quiseres ser perfeito, vai, vende o que tens e dá-o aos pobres (....)". "Em verdade vos digo que dificilmente um rico entrará no reino dos céus. Sim, repito-vos: é mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus". "Não acumuleis tesouros na Terra "(....)". "Ninguém pode servir a dois senhores: ou amará um e odiará o outro; ou se afeiçoará a este e desprezará àquele. Não podereis servir a Deus e a Mamom". "Quem entre vós não renuncia a tudo o que possui não pode ser meu discípulo".

É evidente que toda Instituição do Porte do Vaticano, precisará de recursos para manter programas de evangelização e de ajuda a necessitados. Em meu primeiro e-mail, citei que a Cúria Romana faz algumas doações pelo mundo, mas são ínfimos diante das riquezas do Palácio Papal.

Os banqueiros melhor informados calculam as riquezas do Vaticano entre DEZ A QUINZE BILHÕES ( Eu disse BILHÕES DE DÓLARES. Ele ( Vaticano ) possui grandes investimentos em bancos, seguros, produtos químicos, aço, construções, imóveis etc. SOMENTE OS DIVIDENDOS servem para manter de pé toda a organização, INCLUÍDAS AS OBRAS DE BENEFICÊNCIA. Tal fortuna vem sendo ACUMULADA em função das reaplicações no mercado.

Por que, ao invés de reaplicar o dinheiro, o Vaticano não o redistribui para os mais carentes ? Será que é mesmo necessário ACUMULAR CERCA DE 15 BILHÕES DE DÓLARES para manter a Igreja Romana ?

O padre Marcelo Rossi, vai periodicamente a Brasília solicitar verbas ( milhões de Reais ) para a sua Igreja. Ou seja, mesmo aqueles que NÃO são católicos, são obrigados, através de impostos, a manter o Catolicismo no Brasil. Enquanto que as outras religiões são obrigadas a pedir auxílio aos seus seguidores. Será que isso é justo ?

Sobre essas informações do Vaticano, pelo menos até hoje, desde 1965, na Itália, o Palácio Papal não paga impostos. Que se deveria dizer dos séculos passados, quando a Igreja, com o poder temporal, tinha se submergido no mundo até ao pescoço, exigindo impostos, armando exércitos, ligando-se à política ? A contradição justifica-se, mas é evidente.

Os recursos são indispensáveis à Igreja para cumprir a sua função. Mas então o erro de previsão é de Cristo, pois que o cristianismo, para poder funcionar na Terra, devia renunciar a ser perfeito, como Cristo aconselha.

Se um representante do Vaticano perguntasse a Cristo: "Que devo fazer para obter a vida eterna ?" Certamente que Cristo não poderia responder de um modo diferente deste: Se quiseres ser perfeito, vai, vende o que tens "(....)". E a Igreja lhe deveria objetar : "Se queres que eu cumpra a tua ordem de representar-Te na Terra, devo possuir os meios do mundo".

É lícito arrogar-se à posição de representantes de Cristo sem seguir os Seus ditames ?

Talvez as pessoas que estudam a doutrina cristã e têm o mínimo de discernimento ( como o Senhor mesmo diz ) não têm conhecimento desses fatos, ou se têm, fazem vista grossa, para não ter que admitir tamanha contradição entre a "sua doutrina cristã" e os ensinamentos de Cristo.

Cristianismo, Sr.Paulo Pedrosa, não é participar de cultos, rituais de adoração de imagens, ou aferrar-se cegamente em interpretações literais da Bíblia. Cristianismo, é acima de tudo, o aprendizado e aplicação dos ensinamentos de Cristo, e dentre eles, o maior : "Amai-vos uns aos outros, como eu vos tenho amado". E isso pode ser entendido como solidariedade moral e material, a qual visa o bem-estar e progresso dos irmãos que vivem na Terra.

E um exemplo de ajuda ao próximo, totalmente desprendido de segundas intenções, posso citar Chico Xavier, que não precisa ser católico para dar mostras inequívocas de sua real intenção de socorro aos mais carentes. Como disse no anexo que enviei no meu primeiro e-mail : Defesa das 20 teses.doc, Chico Xavier poderia ter uma vida de opulências, com uma conta bancária de mais de 20 milhões de dólares, obtidos pela venda de seus livros, os quais foram traduzidos para diversos países, e no entanto, Chico Xavier vive de forma simples e humilde. ELE DOA TUDO PARA INSTITUIÇÕES DE CARIDADE, e sobrevive com a sua aposentadoria.

CHICO XAVIER NÃO POSSUI OBRAS DE ARTE VALIOSÍSSIMAS, COMO É A CAPELA SISTINA OU NOTRE-DAME, OBRAS DE MICHELANGELO OU PEÇAS BARROCAS FOLHEADAS A OURO. SIMPLESMENTE PORQUE CHICO XAVIER NÃO É APEGADO A OURO E LUXO, COMO É O VATICANO E SUAS IGREJAS...

Nós, Kardecistas, temos SIM, Jesus como o maior exemplo a ser seguido. É EVIDENTE que o Cristo de Deus é o Salvador da Humanidade, oferecendo sua Mensagem de vida eterna como roteiro, como o caminho e a verdade que Ele mesmo se proclamou. Ele é exemplificação e modelo, mas compete a cada criatura seguir o caminho indicado, com esforço, com amor, com dedicação e não ficar de braços cruzados, uma vez que já estaria salvo pelo sacrifício de Jesus no Calvário. Pregar que a redenção da criatura se faz unicamente pela cruz e não pelo esforço de cada um, é incentivar a indiferença pela vida, igualando bons e maus. É IGUALMENTE DESPREZAR A JUSTIÇA DIVINA, NA SUA FUNÇÃO DE DAR A CADA UM SEGUNDO SUAS OBRAS, COMO ENSINOU CRISTO. REPITO : COMO ENSINOU CRISTO !

Agradeço o seu convite para conhecer melhor a sua doutrina. Faço o mesmo em relação ao Senhor. Se quiser falar de Espiritismo, procure ler os livros básicos de Kardec. Agora, se não quiser ler por achá-los sem importância, não fale baseado em suas próprias opiniões, muitas vezes alicerçadas em preconceitos e em ensinamentos baseados em fé cega, ou seja, aquela fé em dogmas que não admitem contestação e que exigem a renúncia de uma das mais valiosas prerrogativas do homem : O raciocínio e o livre-arbítrio.

Os Católicos aceitam todas as imposições da Igreja. Eles devem dizer amém, amém a tudo o que vier da Igreja, não é mesmo ? Pois é assim que pensavam os religiosos medievais quando mandavam para o suplício da fogueira todos os que não concordavam com os dogmas Católicos. E o sacerdócio romano quer que tudo continue da mesma forma. Que todos se calem, deixem de pensar e aceitem que os "infalíveis de Roma" pensem por nós.

Por outro lado, a Fé raciocinada, a que tem por base os fatos e a lógica, não deixa atrás de si nenhuma obscuridade, ou seja, cremos porque estamos certos, e assim podemos compreender. Eis porque a Fé raciocinada não se dobra : Ela pode encarar a razão face a face, em todas as épocas da Humanidade. É a esse resultado que o Espiritismo conduz, superando a incredulidade todas as vezes que não encontra oposição sistemática e interessada.

Por oportuno, o Senhor sabia que antes do Concílio de Constantinopla ( 553 D.C ) a Igreja Católica aceitava a reencarnação ? O Senhor conhece os verdadeiros motivos que levaram a Igreja a escamotear e a suprimir o ensinamento da pluralidade das existências ? O Site http://jefferson.freetzi.com registra, através de HISTORIADORES IDÔNEOS, todos os fatos que explicam de forma inequívoca os acontecimentos. É claro que muitos poderão simplesmente ignorar tudo, fechar os olhos à realidade e aferrarem-se nas interpretações literais da Bíblia. Talvez isso seja mais cômodo ...

Como disse no meu primeiro e-mail, não tenho o objetivo de convencer a ninguém e nem intenciono que as minhas palavras façam as pessoas mudarem de opinião. E nem quero isso. Assim procedi para que os princípios de Kardec, atacados pelo Sr. Fedeli, tivessem o direito de resposta e também para que os fatos históricos registrados no Site acima mencionado, atuem como subsídios ao conhecimento, interagindo nas reflexões sobre os aspectos das questões apontadas.

Atenciosamente

Jefferson



RESPOSTA A MIM ENVIADA, PELO SR. PAULO :


Sr. Jefferson,


obrigado pela sua resposta,

pretendo analisar calmamente seu email e dar-te uma resposta para suas argumentações, olhando por alto, percebi algumas argumentações sobre a "riqueza material" da Igreja Católica, e sua pergunta porque ela não dá sua riqueza aos pobres? Já entrei em polêmicas acirradas sobre o assunto, não vou me alongar por hora, pretendo como te disse, analisar com calma o seu email e respondê-lo adequadamente, só gostaria de lembrar que nenhuma instituição sobreviveria dois mil anos sem recursos materiais bem administrados. Distribuir todas suas riquezas entre os pobres ajudaria à Igreja a ser popular, mas dificultaria sua sobrevivência com o tempo. Espero poder me aprofundar a posteriori.

Quanto a suas proposições iniciais, percebo que você se detém no fato dos católicos não estarem abertos para o diálogo e para a discussão. Antes de mais nada, o que deve divergir bastante do seu ponto de vista para o de um católico deve ser o fato dos católicos terem uma religião dogmática e revelada. Nós não elocubramos e entendemos que uma verdade espiritual deve ser assim ou assado. Consideramos os dogmas como revelados diretamente por Deus. Isto por causa do conceito de verdade absoluta que permeia o pensamento cristão.

As correntes espirituais que sofreram forte influência do modernismo e do gnosticismo não aceitam pontos de vistas absolutos, e propagam a idéia de que todos os caminhos levam a Deus, desde que sejam respeitados alguns princípios básicos.

Outro ponto de discordância bastante forte, como você há de saber, é que os espiritas, bem como hindús, os budistas e algumas outras religiões e seitas orientais, acreditam que a "salvação" dos homens se dê pelas obras que este realiza: Se alguem faz boas obras durante sua vida, então estará automaticamente dando um passo a mais para sua própria elevação espiritual.

Ora, não é isto que Jesus nem nenhum de seus apóstolos ensinam. Segundo o cristianismo, o homem não é salvo por seus atos, mas única e exclusivamente pela graça divina. A de se constatar que a doutrina cristã é muito clara e hoje contamos com originais, tanto em ambientes católicos como em outros ambientes cristãos, que datam do século em que Jesus e os apóstolos viveram. Você como espírita, pode contestar as verdades que são ditas alí, mas para nós cristãos, a Bíblia contém toda a revelação necessária a salvação dos homens. E nós católicos, em especial, possuimos uma tradição apóstolica que vem a dois mil anos dando testemunho desta verdade.

Sr. Jefferson, me desculpe por ter me alongado um pouco. Que Deus nos ilumine com sua sabedoria e nos instrua no caminho da Verdade.

Voltarei a entrar em contato.

A paz de Cristo.

Paulo Pedrosa



RESPOSTA AO SR. PAULO PEDROSA :



Sr. Paulo


Agradeço-lhe a atenção com que vem tratando o assunto.

Pelo teor de suas mensagens, verifico um senso de equilíbrio e maturidade nas suas ponderações. Acredito na moderação, quaisquer que sejam os pontos de vista. Pelo fato de discordarmos em nossos entendimentos relativos à religião, não significa ter que magoar um ao outro.

Ficou claro que o Sr. analisará mais cautelosamente a minha última mensagem, e em função disso, formulará uma resposta própria às minhas indagações. Contudo, quero aproveitar a ocasião para ressaltar alguns fatos que me chamaram a atenção.

O Senhor diz : "... que nenhuma instituição sobreviveria dois mil anos sem recursos materiais bem administrados".

Não questiono a boa administração de recursos, mas será que o Vaticano necessita mesmo de cerca de 15 BILHÕES DE DÓLARES para sobreviver ? Tudo bem. O Sr. disse que analisará com calma a questão.

Então aproveite e analise também o que foi publicado na Revista Super Interessante, a qual relata que o Vaticano tem investimentos em, pasmem : Indústrias de armas, bombas e tanques !!! E como se não bastasse, há uma outra contradição inexplicável nesses "investimentos" da Cúria Romana, ou seja, o Vaticano, que sempre foi contra o uso de anticoncepcionais, investe justamente em indústrias que fabricam os mesmos anticoncepcionais !!! Parece que, quando o negócio é arrecadar dinheiro, vale tudo para o Palácio Papal. Vejam a matéria :

Revista Super Interessante - Investimentos do Vaticano

E por que, ao invés de reaplicar o dinheiro, o Vaticano não o redistribui para os mais carentes ? Será que é mesmo necessário ACUMULAR CERCA DE 15 BILHÕES DE DÓLARES para manter a Igreja Romana ?

E a própria Revista "Isto É - Dinheiro" revela a situação financeira do Vaticano, que apesar das dificuldades, mantém um Patrimônio, revelado pela própria Cúria Romana, de 5 bilhões de dólares mais 3,2 bilhões de dólares depositados no Banco do Vaticano. E se essas cifras são reveladas pela própria Igreja, então, é sinal que o montante pode ser muito maior. E a Revista ainda diz : "... O pontífice tem ainda 1 mil apartamentos registrados em seu nome na capital italiana, Roma."   Para confirmar, acesse :

http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/negocios/20020717/santa-crise/19550

Crise no Vaticano


A Igreja Católica, Sr. Paulo, não tem 2.000 anos. Pensando assim, muitos católicos acham que o Catolicismo surgiu com Jesus e dessa forma tentam justificar a todo custo que a Igreja Católica é a Igreja de Cristo. O Catolicismo surgiu, mais precisamente em 325 D.C, no Concílio de Niceia. Pode não haver muita diferença entre 2.000 anos e 1675 anos, mas em termos absolutos, 325 anos depois da morte de Cristo, fazem uma enorme diferença.

                Portanto, essa versão de que a igreja católica teria mais de 2.000 anos, servindo assim de mais um reforço para que autoridades católicas espalhassem aos quatro ventos que essa igreja teria sido fundada por Cristo, cai definitivamente por terra. Para maiores detalhes, sugiro a leitura de :

Tribuna da imprensa Online - Igreja Católica não tem 21 séculos e sim 18








A propósito, segue uma polêmica obtida em um Fórum de Debates sobre os argumentos mais comuns dos católicos para se defender a frágil ideia de que a Igreja romana teria mais de 2.000 anos :


Alter-Ego : Constantino lançou um edito que deu liberdade de culto aos católicos em 313. Engraçado que ele tenha dado liberdade a uma religião que não existia ainda!


Refutação de Benetton : Mas é claro que é engraçado, pois a religião que existia antes era o CRISTIANISMO, ou seja os adeptos dos ensinos de Cristo, e não o catolicismo. Engraçado essa mania dos católicos quererem confundir o Cristianismo daquela época com o catolicismo que surgiu MAIS DE 300 ANOS DEPOIS DE CRISTO. Realmente, muito engraçado, não?


Alter-Ego : Mais engraçado é que ele tenha fundado uma religião e, ao invés de ser o primeiro a aderir a ela, só o tenha feito no fim da vida em 337. É, realmente, muito engraçado..


Refutação de Benetton : Sim dá para rolar de rir de tão engraçado. O Exxxperto do Constantino, estadista sagaz que era, inverteu a política vigente, passando, da perseguição aos cristãos, à promoção do CRISTIANISMO ( e não do catolicismo, o qual seria fundado em seguida ) vislumbrando a oportunidade de relançar, através da Igreja, a unidade religiosa do seu Império. Contudo, durante todo o seu regime, não abriu mão de sua condição de sumo-sacerdote do CULTO PAGÃO ao "Sol Invictus". Tinha um conhecimento rudimentar da doutrina cristã e suas intervenções em matéria religiosa visavam, a princípio, fortalecer a monarquia do seu governo.

O Concílio de Niceia consagrou oficialmente a designação "Católica" aplicada à Igreja organizada por Constantino, e de onde surgiu : "Creio na igreja una, santa, católica e apostólica". Como se vê claramente, a Igreja Católica não foi fundada por Pedro, Jesus ou quaisquer contemporâneos do início do século I e está longe de ser a Igreja primitiva dos Apóstolos. E mesmo que Santo Inácio de Antioquia, no século I, tenha utilizado pela primeira vez o termo "católica", a igreja não existia como entidade constituída. Utilizar o termo "católica" está longe, muito longe de significar a fundação da igreja...

As Igrejas Cristãs hoje em dia dizem que Constantino foi o primeiro Imperador Cristão, mas seu "cristianismo" tinha motivação apenas política. É altamente duvidoso que ele realmente aceitasse a Doutrina Cristã, pois ele mandou matar um de seus filhos, além de um sobrinho, seu cunhado e possivelmente uma de suas esposas. ( Mas que exemplo caridoso de cristianismo, não ??? ). Ele manteve seu título de alto sacerdote de uma religião pagã até o fim da vida e SÓ FOI BATIZADO NO SEU LEITO DE MORTE. Ou seja, Cristianismo de última hora...

Quando Constantino morreu, em 337, foi batizado e enterrado na consideração de que ele se tornara um décimo terceiro Apóstolo, e na iconografia eclesiástica veio a ser representado recebendo a coroa das mãos de Deus...

Realmente, tudo isso é muuuuuito engraçado. Uma verdadeira comédia.



Alter-Ego : Se torna mais engraçado quando se sabe que a Igreja cristã era chamada de Católica desde 102 d.c. O que desmonta toda essa sua tese...


Refutação de Benetton : Igreja? Que igreja? Antes de 325, quem se declarasse cristão, era simplesmente jogado às feras. Não havia nenhuma "igreja" como se conhece na essência do termo.

Igreja naquela época não era a igreja que entendemos hoje, pois se lermos os Evangelhos duma ponta à outra veremos que a palavra «Igreja», no sentido que hoje lhe damos, nem sequer neles é mencionada exceto por aproximação e apenas três vezes em dois versículos no Evangelho de Mateus (Mt 16, 18 e Mt 18, 17), pois a palavra grega original, usada por Mateus, ekklêsia, significa simplesmente «assembleia de convocados», neste caso a comunidade dos seguidores da doutrina de Jesus, ( nada a ver com catolicismo ), ou a sua reunião num local, geralmente em casas particulares onde se liam as cartas e as mensagens dos apóstolos. Sabemô-lo pelo testemunho de outros textos do Novo Testamento, já que os Evangelhos a esse respeito são omissos. Veja-se, por exemplo, a epístola aos Romanos (16, 5) onde Paulo cita o agrupamento (ekklêsia) que se reunia na residência dum casal de tecelões, Aquila e Priscila, ou a epístola a Filémon (1, 2) onde o mesmo Paulo saúda a ekklêsia que se reunia em casa do dito Filémon; num dos casos, como lemos na epístola de Tiago (2, 2), essa congregação cristã é designada por «sinagoga». Nada disto tem a ver, portanto, com a imponente Igreja católica em quanto instituição formal estruturada e oficializada, sobretudo a partir do Concílio de Nícéia, presidido pelo Imperador Constantino, mais de 300 anos após a morte de Cristo.

Acho que o que foi desmontado agora foi essa triste tentativa de associar o termo "católico" a uma reunião de convocados que se reuniam em catacumbas e em casas particulares para lembrar as cartas e mensagens dos apóstolos. Pela enésima vez : Aquela religião celebrava o CRISTIANISMO, e não o catolicismo.

Diga aí o documento que prova que em 102 a igreja se chamava católica...



Alter-Ego : E o supra-sumo da graça fica por conta de saber que alguém, realmente, crê que outrem fundaria uma religião para só se converter a ela no leito de morte. É como se Moisés se deixasse circuncidar no leito de morte ou Maomé fizesse a profissão de fé no fim da vida. Comédia...


Refutação de Benetton : E o pior é que é mesmo. Constantino enganou bem toda uma comunidade de ingênuos daquela época, fazendo-os pensar que ele era Cristão ( mas nas horas vagas professava o CULTO PAGÃO ao "Sol Invictus" ).

E pelo visto, Constantino continua enganando ingênuos até hoje, mais de 1670 anos após a sua morte. Realmente, isso sim é o supra-sumo da graça.

Sem dúvidas foi a maior comédia da história. Só os ingênuos seguidores desse legado é que ainda pensam que Constantino era bonzinho, não matou ninguém e morreu como um exemplo de fiel que sempre seguiu os ensinamentos de Cristo.

Não sei como o Papa ainda não canonizou esse imperador. Ele fez e ainda faz o milagre de enganar tanta gente pelo mundo afora por mais de um milênio e meio!

São Constantino, rogai por nós!



Refutação e intervenção de Fernando Silva: Constantino nunca se converteu ao cristianismo, apenas se aliou aos cristãos devido a um sonho. Seu interesse era que as religiões monoteístas predominassem. Além disto, o cristianismo já estava bem difundido na época dele e os cristãos lhe dariam um grande apoio político

Ele convocou o concílio de Niceia, não porque acreditasse nesta ou naquela doutrina, mas porque queria que uma única doutrina fosse definida como oficial e a briga entre cristãos terminasse. Não é possível se condenar alguém quando não se tem uma lei.

E foi batizado no leito de morte, o que indica que provavelmente nem sabia mais o que estava acontecendo.



Alter-Ego : Vou mandar as respostas para http://WWW.AUTORESESPIRITASCLASSICOS.COM de onde você Benetton copiou...


Refutação de Benetton : Mais uma vez você errou. Sabe por que? Porque eu copiei DO MEU PRÓPRIO SITE!

Veja uma das páginas : http://www.geocities.com/jeffersonhpbr/Niceia2.html ( hoje : http://jefferson.freetzi.com/Niceia2.html )

É evidente que o meu site é uma compilação de outros sites e lá é mantida a bibliografia de origem. Se essa página que você citou também copiou das HPs que Eu utilizei, não é problema meu e pouco me importa.

Faça o que quiser. Isso não mudará a verdade dos fatos que envolvem a história da sua igreja.







Aproveito e peço que também analise cuidadosamente : O Senhor diz : "Consideramos os dogmas como revelados diretamente por Deus. Isto por causa do conceito de verdade absoluta que permeia o pensamento cristão".

Pergunto-lhe : A Bíblia foi escrita por Deus ou pelos Homens ? O Homem é perfeito ? Não poderia ele ( homem ) ter adaptado, a seu gosto e de acordo com seus interesses, todas as traduções que foram feitas dos Textos originais ?

O velho e Novo Testamento, já atravessaram mais de 3 mil anos, SENDO TRADUZIDOS PARA 2.167 LÍNGUAS ! Muitas delas praticamente inexistentes nos dias de hoje.

Uma análise cuidadosa da Bíblia revela que ela foi escrita por uns 40 homens durante um período de 16 séculos. Eram eles escritores profissionais ? NÃO. Entre eles havia pelo menos um pastor, pescador, cobrador de impostos, médico, fabricante de tendas, sacerdote, profeta ou rei. Seus escritos mencionam muitas vezes pessoas e costumes que desconhecemos neste século XX.

Seria interessante lembrar que os textos atuais dos evangelhos ( Novo Testamento ) são originários de inúmeras traduções e interpretações pessoais de líderes religiosos que viveram em suas respectivas épocas durante 2000 anos após a morte de Jesus Cristo. Como ilustração, lembremo-nos da passagem de Cristo sobre a terra, quando Ele disse : "Em verdade, em verdade, eu vos digo : Se um homem não renascer da água e do Espírito, não pode entrar no Reino de Deus".

Essas palavras foram interpretadas (e escritas nos atuais evangelhos) no sentido da regeneração pela água do Batismo, mas o texto primitivo trazia simplesmente : Não renascer da água e do espírito, ao passo que em certas traduções, a DO ESPÍRITO se substituiu por : DO SANTO ESPÍRITO, o que não corresponde ao mesmo pensamento. A tradução de Osterwald está conforme o texto primitivo, ela traz : Não renascer da água e do Espírito. A tradução de Sacy diz : DO SANTO ESPÍRITO. A tradução de Lamennais diz : DO ESPÍRITO SANTO.

ESPÍRITO, Sr. Paulo, para a Igreja Católica quer dizer uma coisa. Já ESPÍRITO-SANTO, quer dizer outra coisa. Isso apenas para citar algumas discrepâncias dos textos Bíblicos.

Podemos hoje acrescentar que as modernas traduções já restituíram o texto primitivo, pois que só imprimem ESPÍRITO e não ESPÍRITO-SANTO. Examinando a tradução brasileira, a inglesa, a em esperanto, a de Ferreira de Almeida, e em todas elas encontramos somente o termo "Espírito". Além dessas modernas traduções, encontramos a confirmação numa latina de Theodoro de Beza, de 1642, que diz: "...genitus ex aqua et Spiritu..." "...et quod genitum est ex Spiritu, spiritus est".

É fora de dúvida que a palavra "Santo" ( Em Espírito-SANTO ) foi interpolada, ou seja, ela foi inserida deliberadamente, pois NÃO CONSTAVA DO ORIGINAL. Daí se conclui, e com facilidade, que o homem foi modificando, de acordo com suas conveniências, os textos evangélicos. Tanto que agora reconhece um ERRO HISTÓRICO...

Contudo, o catolicismo ortodoxo não abre mão de se auto-intitular "Senhores absolutos da verdade". Mas que verdade ? A verdade deles mesmos ? Será que alguém pode dizer que é dono da verdade, mesmo sendo uma autoridade eclesiástica ? Os religiosos medievais também pensavam assim.

E nem mesmo a Ciência podia se manifestar. Religiosos da idade média convenceram o Papa que as teorias de Galileu eram mais danosas para a religião do que as "heresias" de Lutero e de Calvino. Galileu foi perseguido, processado duas vezes e obrigado a abjurar, publicamente, suas teorias, e, depois, banido, em estado de detenção, para uma vila de Arcetri, perto de Florença. Suas teses heliocêntricas, já enunciadas também por Copérnico, foram consideradas "heréticas e absurdas"...

Não podemos analisar uma Doutrina somente no que ela apresenta nos dias de hoje. E o passado ? Não conta para dar base moral aos seus princípios ? Será que podemos dizer que o Catolicismo era o Senhor absoluto da verdade quando condenou Galileu ?

Abrir mão do raciocínio e deixar que os outros digam qual é a verdade, é no mínimo temeroso ...

O Senhor diz : " ...Ora, não é isto que Jesus nem nenhum de seus apóstolos ensinam. Segundo o cristianismo, o homem não é salvo por seus atos, mas única e exclusivamente pela graça divina. A de se constatar que a doutrina cristã é muito clara e hoje contamos com originais, tanto em ambientes católicos como em outros ambientes cristãos, que datam do século em que Jesus e os apóstolos viveram."

Se fosse assim, ora Jesus ensina uma coisa, ora ensina outra. O QUE É UM TOTAL ABSURDO ! Volto a repetir : "Pregar que a redenção da criatura se faz simplesmente pela "Graça Divina" e não pelo esforço de cada um, é incentivar a indiferença pela vida, igualando bons e maus. Se for assim, fiquemos de braços cruzado, pois é só esperar a tal "Graça Divina". Tal atitude se revela em um desprezo pela JUSTIÇA DIVINA, na sua função de DAR A CADA UM SEGUNDO SUAS OBRAS, COMO ENSINOU CRISTO. Repito : COMO ENSINOU CRISTO !!!

Com isso, voltamos ao dilema : Devemos nos aferrar ao que está Escrito na Bíblia, de forma cega e às vezes com interpretações duvidosas OU podemos usar um dom que Deus nos concedeu : O Raciocínio e o Livre arbítrio ? Dispensar o raciocínio e o Livre arbítrio significa DEVOLVER a Deus um presente que ele nos deu...

Quem lhe pede desculpas agora sou eu. Minha mensagem é, por vezes, muito extensa.

Estou ciente que o Senhor fará uma cuidadosa análise da minha última mensagem. Meu objetivo agora é de acrescentar também as ponderações acima descritas.

E que Deus continue a iluminar suas atitudes e o seu proceder para com o próximo.

Abraços fraternos

Jefferson



E O SR. PAULO VOLTA :


Sr. Jefferson,


como suas argumentações são extensas, vou comentá-las trecho por trecho.

1º) "A Igreja Católica, Sr. Paulo, não tem 2.000 anos. Pensando assim, muitos católicos acham que o Catolicismo surgiu com Jesus e dessa forma tentam justificar a todo custo que a Igreja Católica é a Igreja de Cristo. O Catolicismo surgiu, mais precisamente em 325 D.C, no Concílio de Niceia. Pode não haver muita diferença entre 2.000 anos e 1675 anos, mas em termos absolutos, 325 anos depois da morte de Cristo, fazem uma enorme diferença."

Preste muita atenção à estas palavras, Jefferson, foram escritas por João Evangelista, entre os anos 90 e 100 dC: "Tú és Pedro e sobre esta pedra eu fundarei a minha Igreja". Nota-se aqui um propósito claro da fundação de uma instituição que propague as doutrinas de Cristo. Depois da morte e Ressurreição de Jesus, coube aos apóstolos o início da propagação do Evangelho do Reino, mas, à princípio, eles julgavam que deviam pregar o Evangelho somente entre os Judeus, só mudando este ponto de vista depois que Pedro e Paulo convenceram aos outros apóstolos a respeito da pregação do evangelho a todas as nações.Aí começa a verdadeira Igreja, uma vez que foram rompidos os laços com o judaísmo, no sentido de que para ser cristão, não era necessário se converter ao judaísmo primeiro. Esta foi a premissa do primeiro concílio Ecumênico da Igreja, realizado em Jerusalém e com a presença dos apóstolos, onde foi discutida a necessidade ou não da circuncisão dos fiéis (conforme ato dos apóstolos). A partir daí, o cristianismo começou a se espalhar pelo mundo, principalmente Paulo e Pedro fundarem a igreja de Roma.

Os apóstolos não viveriam eternamente, então foram escolhidos bispos para sucedê-los, que receberam o ensinamento e os sacramentos dos apóstolos e estes por sua vez foram sendo sucedidos por outros bispos. No final do primeiro século, haviam algumas igrejas cristãs espalhadas principalmente na ásia e no mediterrâneo oriental, e estas igrejas se comunicavam frequentemente por cartas pastorais, e seus legados (ou bispos) sempre se correspondiam, e assim era mantida precariamente a unidade. Imagine você se Cristo tivesse unicamente mandado aos seus apóstolos que pregassem "amai-vos uns aos outros" e cada qual saissem falando isto pelo mundo afora, sem ter o mínimo de bom senso de se organizarem. Os cristãos hoje seriam conhecidos como uma seita de loucos que achavam que "deviam amar seus inimigos"... Seriamos engolidos pela poeira dos tempos. É claro que Deus é poderoso e pode tudo, mas com certeza, não era intensão Dele deixar os apóstolos abandonados à própria sorte.

Pedro foi escolhido, dentre os apóstolos como lider, e por causa disto é considerado o primeiro "papa", termo este que só será utilizado muitos séculos mais tarde para designar o Sumo Pontífice. A Igreja católica reclama, e é a única que tem direito de tal, a sucessão apostólica.

Agora, consideremos que a Igreja de hoje, não seja exatamente igual à Igreja do início do cristianismo. Várias mudanças ocorreram, principalmente nos acidentes, como ritos, costumes, organização, etc., porém mantendo uma fidelidade constante aos dogmas e à doutrina original. Mesmo a Igreja definida pelo concílio de Niceia é muito diferente da atual, diferente da pós concílio de Trento e finalmente diferente da pós concílio Vaticano II.

Você meu caro, como alguns irmãos protestantes, fazem confusão dos acidentes com a doutrina. Confunde a instituição com os homens que as dirigiram. A igreja não é o Papa, nem os bíspos, nem os clérigos ou os monges. A igreja é o conjunto de todos os fiéis, que aceitaram Cristo como seu salvador e seguem a sua doutrina. Nós todos somos pecadores, sem excessão, e já houveram papas assassínos, prevaricadores, bajuladores, prostituidos e fúteis. Afinal de contas, não deixam de ser homens como nós, e sujeitos aos mesmo tipos de erros. Já houveram políticas erradas na igreja: as cruzadas e a Inquisição que o digam, mas nunca houve um desvio ou contradição na doutrina, e no fim, é isto o que conta e o que dá a estabilidade que a Igreja tem hoje.

A Igreja passou por várias vezes pela iminência da extinção, nestes dois mil anos, não apenas no início, mas também nas invasões bárbaras, durante a renascença e a reforma. Durante a revolução francesa, os revolucionários comemoravam a vitória da razão e a iminência do desmoronamento da Igreja. Inimigos é o que não nos falta...

Com relação à Bíblia:

Hora, veja só Jefferson, você pode até pensar que a Bíblia pode estar errada, e achar que as dúvidas que voce porventura tenha deverão ser respondidas ou por você mesmo ou por um "espírito esclarecido". Neste caso, existe muito pouca coisa que eu possa dizer para demovê-lo desta idéia. Posso tecer, e vou,comentários a respeito de suas questões, mas tenho certeza que nenhum será suficiente para convencê-lo da Verdade de que Jesus Cristo é Deus, e só Ele o é, que a Bíblia é a palavra de Deus, e de que a Igreja católica é a Igreja original, fundada por Jesus Cristo. Este tipo de convencimento envolve quebra de orgulho e de vaidades pessoais, e sei como elas são duras de serem vencidas. Eu mesmo, até dois anos atrás era agnóstico convicto, e tinha muitíssimas restrições a qualquer culto a Deus que não fosse o culto pessoal. Minha conversão mesmo não se deu por convencimento, mas por ação do Espírito Santo, numa experiencia muito pessoal para a qual não estava preparado. Mas isto é assunto para depois. Vamos pois às respostas.

2º) "Consideramos os dogmas como revelados diretamente por Deus. Isto por causa do conceito de verdade absoluta que permeia o pensamento cristão". Pergunto-lhe : A Bíblia foi escrita por Deus ou pelos homens ?"

Foi escrita por homens inspirados por Deus.

"O Homem é perfeito ?"

É obvio que não.

"Não poderia ele ( homem ) ter adaptado, a seu gosto e de acordo com seus interesses, todas as traduções que foram feitas dos Textos originais ?"

Eu respondo com outra pergunta: Você acredita na ação de Deus junto aos homens e à humanidade? Acha que os relatos de milagres e feitos relatados tanto no novo quanto no antigo testamento são lendas?

Quem escreveu foram homens, realmente, bem como quem os traduziu. É claro que o modo como foi escrito cada livro da Bíblia dependeu de como o escritor pensava, do estilo literário e como era a realidade da época em que viviam. Todos eles foram escritos por homens, que muitas vezes não tinham idéia de que estavam escrevendo algo que seria considerado sagrado por bilhões de pessoas no futuro. A ação de Deus fica evidente quando você nota que a doutrina é a mesma, e que não existe contradição doutrinária entre os livros. Você acha que Moisés escreveu o Pentateuco de próprio punho ou ditou para algum de seus colaboradores? Caso não saiba, o Pentateuco foi escrito pelo menos quatrocentos anos depois da data provável do Êxodo. A doutrina, bem como a história, foi passada oralmente, de geração em geração. Se enveredarmos por este caminho, desconfiando da atuação de Deus entre os homens, chegaremos à conclusão dos iluministas de que a Bíblia não passa de um conto da carochinha para adultos. Tenho certeza de que você pensa que não é bem por aí...

3º) "Em verdade, em verdade, eu vos digo : Se um homem não renascer da água e do Espírito, não pode entrar no Reino de Deus".

Com isto você não está querendo me dizer que Jesus já estava falando de reencarnação, não é mesmo? Ora, por favor... Engraçado como você contesta a Bíblia e escolhe alguns trechos para dar respaldo para a sua doutrina. E o resto, como fica? Como fica Paulo, quando afirma: "Está decretado que o homem morra uma só vez, e depois disto é o julgamento" (Hb 9, 27). "Assim o homem, quando dormir, não ressuscitará, até que o céu seja consumido, não despertará, nem se levantará de seu sono" ( Jó, XIV,12).

Renascer para o Cristão é aceitar a Cristo pelo batismo e morrer para o pecado, e não reencarnar neste jogo de yoyo cósmico que o homem inventou a um tempão.

Mas você pode estar confundindo com reencarnação, o dogma cristão da Ressurreição, como todos os espíritas. São duas coisas completamente diferentes. Na reencarnação o “espirito” reencarnaria num novo corpo, depois de um tempo “desencarnado”. A ressurreição que Jesus anuncia é completamente diferente: Ela acontecerá no final dos tempos. Como Jesus disse, segundo o evangelho: "Virá uma hora em que todos os que se acham nos sepulcros ouvirão a voz do Filho de Deus; e os que obraram bem, sairão para a ressurreição da vida; mas os que obraram mal, sairão para a ressuscitados para a condenação" (S. Jo. 5, 28). E: "O que come a minha carne e bebe o meu sangue, tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia" (S. Jo. 6, 55).

E Paulo afirma categoricamente: "Nós teremos, portanto, os mesmos corpos e não outros novos, a fim de que um receba o que é devido às boas ou más ações que houver praticado enquanto andava revestido do seu corpo" (2 Cor. 5, 10).

4º) "Podemos hoje acrescentar que as modernas traduções já restituíram o texto primitivo, pois que só imprimem ESPÍRITO e não ESPÍRITO-SANTO. Examinando a tradução brasileira, a inglesa, a em esperanto, a de Ferreira de Almeida, e em todas elas encontramos somente o termo "Espírito". Além dessas modernas traduções, encontramos a confirmação numa latina de Theodoro de Beza, de 1642, que diz: "...genitus ex aqua et Spiritu..." "...et quod genitum est ex Spiritu, spiritus est". "

Engraçado, você duvida da veracidade da Bíblia, para logo em seguida tecer argumentos baseado nela. Interessante...

5º) "Contudo, o catolicismo ortodoxo não abre mão de se auto-intitular "Senhores absolutos da verdade". Mas que verdade ? A verdade deles mesmos ? Será que alguém pode dizer que é dono da verdade, mesmo sendo uma autoridade eclesiástica ?"

Não confunda as coisas, por favor. Nós acreditamos na Verdade que é Jesus Cristo. A Igreja ( não só a católica, bem como a ortodoxa e as protestantes que seguem a doutrina cristã )são depositárias da doutrina de Cristo, ou melhor, da Verdade revelada por Jesus Cristo. Isto quer dizer para nós que o que contradiz esta Verdade é errado, não que somos o sabichões do universo.

6º) "Os religiosos medievais também pensavam assim. E nem mesmo a Ciência podia se manifestar. Religiosos da idade média convenceram o Papa que as teorias de Galileu eram mais danosas para a religião do que as "heresias" de Lutero e de Calvino. Galileu foi perseguido, processado duas vezes e obrigado a abjurar, publicamente, suas teorias, e, depois, banido, em estado de detenção, para uma vila de Arcetri, perto de Florença. Suas teses heliocêntricas, já enunciadas também por Copérnico, foram consideradas "heréticas e absurdas"... "

Bingo. O processo de Galileu foi um erro. Quem disse que a Igreja, enquanto formada de homens falhos não erra (em assuntos temporais). Normalmente, a Igreja não se manifestava, mesmo naquela época, com relação à ciência laica, a não ser que se por algum motivo sentisse que algo pudesse contradizer a doutrina cristã. A Igreja só colocou o livro de Copérnico no Index muito depois deste ter sido publicado. Aquela foi uma época foi a época do iluminismo e da renascença. Foi uma época de contestação em que apareceram heresias por todos os lados. Dizer que a Igreja era contra a ciência, as artes e a cultura é muita ingenuidade e falta de conhecimento. As primeiras universidades foram criadas pela Igreja, os jesuítas foram os precursores do ensino médio, e vários religiosos foram inventores ou cientistas, como Gregor Mendel, por exemplo. A arte não daria um salto de qualidade enorme, tanto a pintura, quanto a arquitetura, se não fosse o patrocínio da Igreja no final da Idade Média.

7º) "Não podemos analisar uma Doutrina somente no que ela apresenta nos dias de hoje. E o passado ? não conta para dar base moral aos seus princípios ? Será que podemos dizer que o Catolicismo era o Senhor absoluto da verdade quando condenou Galileu ?"

Em assuntos temporais, a Igreja nunca foi e nem será a senhora absoluta. Em termos espirituais, como guardiã dos ensinamentos de Cristos que importam PARA A SALVAÇÃO DAS ALMAS, a Igreja é sim a Guardiã inequívoca da Verdade. Não confunda alhos com bugalhos. Vocês espíritas se julgam tão espiritualizados, mas não conseguem pensar de outra forma que não seja mecânica nem material.

8º) "Abrir mão do raciocínio e deixar que os outros digam qual é a verdade, é no mínimo temeroso ..."

Então cada um conta qual é a sua verdade, e ficamos conversados? Não acha mais temoroso relativizar a verdade? Onde qualquer um escolhe aquela que lhe satisfaz e interessa particularmente?

9º) "O Senhor diz :"

Por favor, se quiser me chamar de senhor, que seja com s minúsculo, pois para mim Senhor com S maiúsculo é Nosso Senhor Jesus Cristo

10º) "Se fosse assim, ora Jesus ensina uma coisa, ora ensina outra. O QUE É UM TOTAL ABSURDO ! Volto a repetir : "Pregar que a redenção da criatura se faz simplesmente pela "Graça Divina" e não pelo esforço de cada um, é incentivar a indiferença pela vida, igualando bons e maus. Se for assim, fiquemos de braços cruzado, pois é só esperar a tal "Graça Divina". Tal atitude se revela em um desprezo pela JUSTIÇA DIVINA, na sua função de DAR A CADA UM SEGUNDO SUAS OBRAS, COMO ENSINOU CRISTO. Repito : COMO ENSINOU CRISTO !!!"

Talvez você não saiba que, para qualquer bom cristão, a fé sem obras é vazia, e não leva à salvação, como disse Tiago em sua epístola. O que deve ser complicado para você entender é que DEUS não é obrigado a nos salvar porque fomos bonzinhos, ou porque fizemos a coisa certa. Deus nos salva porque ele quer, e nos dá a salvação gratuitamente, caso nos converta-mos. Se não fosse assim, Cristo seria um mentiroso, pois na Cruz disse a Dimas, um ladrão que o reconheceu como o Messias: “Ainda hoje estarás comigo no Paraíso!” Dimas era um ladrão, um merecedor da cruz, o pior castigo que a justiça romana aplicava, somente reservado aos piores meliantes. Cristo apagou toda a culpa dele porque houve o arrependimento e a conversão.

É obvio que, uma vez que uma pessoa seja convertido à Jesus Cristo e tenha se arrependido de seus pecados, ela terá a responsabilidade de não mais pecar: “Vá e não peques mais” disse Jesus à prostituta que ele salvou do apedrejamento. Jesus claramente nos instrui a fazer boas obras: O sermão da montanha é repleto deste tipo de orientação.

Mas aquele que recai, que peca, mesmo depois da graça da conversão? Jesus nos explica como Deus pai encara os seus filhos que se perderam, mas que se arrependeram e voltaram para a casa do Pai, como fica claro na parábola do Filho Pródigo. A verdade que Deus é Bom, infinitamente bom, e os espíritas não entendem isto… A doutrina espírita é cruel, e menospreza a bondade de Deus. Sistematiza um processo de purificação espiritual que independe da Vontade Divina e banaliza toda a promessa do Evangelho de Jesus Cristo.

11º) "Com isso, voltamos ao dilema : Devemos nos aferrar ao que está Escrito na Bíblia, de forma cega e às vezes com interpretações duvidosas OU podemos usar um dom de Deus : O raciocío e o Livre arbítrio ? Dispensar o raciocínio e o Livre arbítrio significa DEVOLVER a Deus um presente que ele nos deu..."

A Bíblia é um tesouro de Deus dado ao homem, para que o homem creia e tenha fé. Deus nos cumulou de vários dons, pois, tendo sido feito a Sua imagem e Semelhança (pelo amor de Deus, nós não achamos que Deus é um velhinho de barbas brancas…), dentre eles a razão. O livre arbítrio basicamente nos ajuda escolher entre o caminho do Bem e o caminho do Mal, mas não podemos acreditar que cada um possa interpretar a Bíblia, a vida e as verdades espirituais segundo sua própria ótica. Este foi o grande equívoco de Martinho Lutero. Cairíamos assim na relativização da Verdade, onde qualquer coisa é possível, desde que seja razoável para mim. Isto levaria, com o tempo, a um esvaziamento espiritual progressivo, e por fim culminaria na total perda da razão. Ou seja, a razão existe para que entendamos os mistérios, não para que os inventemos.

A fé por sua vez, é um presente que Deus nos dá, e que nos guia quando nossa razão não é suficiente. Ou você ousaria dizer que sua razão pode chegar a compreender o mistério último. Se você acha que sua razão pode fazê-lo conhecer (ou saber) Deus, então você se equiparará à Deus, e se tornará também Deus, e isto, meu caro, é a maior de todas as blasfêmias.

Só para concluir, abaixo um texto extraído dos escritos do Professor Felipe Aquino, da Canção nova, enumerando algumas sérias divergências doutrinárias entre catolicismo e espiritismo.

O espiritismo nega pelo menos 40 verdades da fé cristã:

1 - Nega o mistério, e ensina que tudo pode ser comprendido e explicado.
2 - Nega a inspiração divina da Bíblia.
3 - Nega o milagre.
4 - Nega a autoridade do Magistério da Igreja.
5 - Nega a infalibilidade do Papa.
6 - Nega a instituição divina da Igreja.
7 - Nega a suficiência da Revelação.
8 - Nega o mistério da Santíssima Trindade.
9 - Nega a existência de um Deus Pessoal e distinto do mundo.
10 - Nega a liberdade de Deus.
11 - Nega a criação a partir do nada.
12 - Nega a criação da alma humana por Deus.
13 - Nega a criação do corpo humano.
14 - Nega a união substancial entre o corpo e a alma.
15 - Nega a espiritualidade da alma.
16 - Nega a unidade do gênero humano.
17 - Nega a existência dos anjos.
18 - Nega a existência dos demônios.
19 - Nega a divindade de Jesus.
20 - Nega os milagres de Cristo.
21 - Nega a humanidade de Cristo.
22 - Nega os dogmas de Nossa Senhora (Imaculada Conceição, Virgindade perpétua, Assunção, Maternidade divina).
23 - Nega nossa Redenção por Cristo (é o mais grave! ).
24 - Nega o pecado original.
25 - Nega a graça divina.
26 - Nega a possibilidade do perdão dos pecados.
27 - Nega o valor da vida contemplativa e ascética.
28 - Nega toda a doutrina cristã do sobrenatural.
29 - Nega o valor dos Sacramentos.
30 - Nega a eficácia redentora do Batismo.
31 - Nega a presença real de Cristo na Eucaristia.
32 - Nega o valor da Confissão.
33 - Nega a indissolubilidade do Matrimônio.
34 - Nega a unicidade da vida terrestre.
35 - Nega o juízo particular depois da morte.
36 - Nega a existência do Purgatório.
37 - Nega a existência do Céu.
38 - Nega a existência do Inferno.
39 - Nega a ressurreição da carne.
40 - Nega o juízo final.


Apesar de tudo isso muitos continuam a proclamar que "o espiritismo e o Cristianismo ensinam a mesma coisa..."

"Não se ache no meio de ti quem faça passar pelo fogo seu filho ou sua filha [magia negra], nem quem se dê à adivinhação, à astrologia, aos agouros, ao feitichismo, à magia, ao espiritismo, à adivinhação ou à evocação dos mortos, porque o Senhor, teu Deus, abomina aqueles que se dão a essas práticas..." (Deutr 18,9-13).

"Quem lhe pede desculpas agora sou eu. Minha mensagem é, por vezes, muito extensa. Estou ciente que o Senhor fará uma cuidadosa análise da minha última mensagem. Meu objetivo agora é de acrescentar também as ponderações acima descritas. E que Deus continue a iluminar suas atitudes e o seu proceder para com o próximo."

Jefferson, dediquei especial atenção a este seu último email porque achei que as perguntas eram mais importantes que o outro. Saiba que, como Cristo nos ensinou, nós todos deveríamos nos amar gratuitamente, e que acredito que todos devam fazer um esforço sincero para isto. O maior tesouro de todos que Deus deixou para os homens foi o mistério da Salvação através de Jesus Cristo, seu Único Filho, e nós cristãos não podemos deixar de partilhar com as outras pessoas. Jesus disse: “Ide, e pregai o Evangelho a toda criatura.”, e é missão do bom cristão estar sempre aberto ao diálogo, tratando fraternalmente a todos, independente de sua crença, sua cor de pele ou de qualquer outra particularidade.

Amo a Igreja, como obra de sabedoria deixada por Nosso Senhor Jesus Cristo, a quem adoro como Verdadeiro e Único Deus, e não posso deixar de lado minha responsabilidade de defendê-la, de contribuir para sua expansão e de divulga-la, para que possamos um dia, verdadeiramente, viver o Reino de Deus.

Um abraço, e que a Paz de Jesus Cristo esteja convosco.

Paulo Pedrosa



NOVA E LONGA RESPOSTA AO SR. PAULO PEDROSA :



Sr. Paulo Pedrosa


A cada mensagem, nossas ponderações tornam-se mais extensas, não é mesmo ? Bem, isso é sinal que o diálogo interessa a ambas as partes. Acredito que assim é que se pode progredir. É saber ouvir, compreender, expor seus pontos de vista com equilíbrio e respeitar a opinião do outro.

Para melhor evidenciar as minhas opiniões e mensagens, resolvi anexar a minha resposta ao APLICATIVO WORD, com o nome Católicos.doc.

Acredito que em sua próxima resposta, Você inclua também as suas opiniões em resposta às minhas indagações contidas no meu primeiro e-mail, ou seja, as riquezas do Vaticano, calculadas pelos banqueiros melhor informados, entre 10 a 15 BILHÕES DE DÓLARES. Como já disse, por que o Vaticano acumula tantos dólares, reaplicando as sobras no mercado financeiro, enquanto muitos de seus "fiéis" morrem de fome pelo mundo ?

Talvez as pessoas que estudam a doutrina cristã e têm o mínimo de discernimento ( como o Senhor mesmo diz ) não têm conhecimento desses fatos, ou se têm, fazem vista grossa, para não ter que admitir tamanha contradição entre a "sua doutrina cristã" e os ensinamentos de Cristo.

Também citei :

1) O fato do padre Marcelo Rossi, ir periodicamente a Brasília solicitar verbas ( milhões de Reais ) para a sua Igreja. Ou seja, mesmo aqueles que NÃO são católicos, são obrigados, através de impostos, a manter o Catolicismo no Brasil. Enquanto que as outras religiões são obrigadas a pedir auxílio aos seus seguidores. Será que isso é justo ?

2) Se um representante do Vaticano perguntasse a Cristo: "Que devo fazer para obter a vida eterna ?" Certamente que Cristo não poderia responder de um modo diferente deste: Se quiseres ser perfeito, vai, vende o que tens "(....)". E a Igreja lhe deveria objetar : "Se queres que eu cumpra a tua ordem de representar-Te na Terra, devo possuir os meios do mundo". É lícito arrogar-se à posição de representantes de Cristo sem seguir os Seus ditames ?

3) Por oportuno, o Senhor sabia que antes do Concílio de Constantinopla ( 553 D.C ) a Igreja Católica aceitava a reencarnação ? O Senhor conhece os verdadeiros motivos que levaram a Igreja a escamotear e a suprimir o ensinamento da pluralidade das existâncias ? O Site http://jefferson.freetzi.com registra, através de HISTORIADORES IDÔNEOS, todos os fatos que explicam de forma inequívoca os acontecimentos. É claro que muitos poderão simplesmente ignorar tudo, fechar os olhos à realidade e aferrarem-se nas interpretações literais da Bíblia. Talvez isso seja mais cômodo ...

Tudo bem. Como já disse, acredito que tudo terá uma resposta da sua parte, logo que Você puder me enviar uma mensagem.

Com consideração

Jefferson



COMPLEMENTO DA MENSAGEM SUPRA : ANEXO CITADO ACIMA - CATÓLICOS.DOC :


Paulo,


Tentarei seguir uma sistemática parecida com a sua, face à extensão das nossas argumentações, Você Diz :

1) “ Preste muita atenção à estas palavras, Jefferson, foram escritas por João Evangelista, entre os anos 90 e 100 dC: "Tú és Pedro e sobre esta pedra eu fundarei a minha Igreja". Nota-se aqui um propósito claro da fundação de uma instituição que propague as doutrinas de Cristo.”

Resposta : Paulo, os católicos pegam esta afirmação de Cristo para afirmar que Pedro é a pedra ou rocha em que Cristo fundamentou a sua igreja, sendo assim o primeiro papa da igreja. Quando Cristo falou “...esta pedra...” não estava se referindo a Pedro, mas sim à anterior declaração de Pedro a respeito de Jesus – “Tu és o Cristo, O Filho do Deus vivo”. Cristo é a pedra fundamental da igreja. Paulo afirmou: “Porque ninguém pode pôr outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo.” (I Co 3.11). No grego, a palavra Pedro é petros, do gênero masculino, enquanto pedra ou rocha é petra, do gênero feminino. O que Cristo disse: “Tu és Petros (masculino), e sobre esta petra (feminino) eu edificarei a minha igreja.”

Mostra-se assim que Cristo não estava falando de Pedro como a pedra ou rocha, mas sim a respeito da declaração de Pedro – “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.” Se Pedro fosse a rocha, Cristo teria dito: “sobre ti edificarei a minha igreja”, mas não disse. É interessante observar que na narrativa de Marcos a frase de Cristo: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja”, é omitida (Mc 8.27-30). Marcos por muito tempo foi companheiro de Pedro e no seu evangelho há uma profunda influência do mesmo. Pedro chamava Marcos de filho (I Pe 5.13). Pedro em nenhum momento disse de si mesmo como a rocha ou pedra da igreja. Pelo contrário, sempre mostrou a Cristo como a pedra: “Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores, a qual foi posto como cabeça de esquina” (At 4.11). Veja também I Pe 2.4-8.

               Se lermos os Evangelhos duma ponta à outra veremos que a palavra «Igreja», no sentido que hoje lhe damos, nem sequer neles é mencionada exceto por aproximação e apenas três vezes em dois versículos no Evangelho de Mateus (Mt 16, 18 e Mt 18, 17), pois a palavra grega original, usada por Mateus, ekklêsia, significa simplesmente «assembleia de convocados», neste caso a comunidade dos seguidores da doutrina de Jesus, ou a sua reunião num local, geralmente em casas particulares onde se liam as cartas e as mensagens dos apóstolos. Veja-se, por exemplo, a epístola aos Romanos (16, 5) onde Paulo cita o agrupamento (ekklêsia) que se reunia na residência dum casal de tecelões, Aquila e Priscila, ou a epístola a Filémon (1, 2) onde o mesmo Paulo saúda a ekklêsia que se reunia em casa do dito Filémon; num dos casos, como lemos na epístola de Tiago (2, 2), essa congregação cristã é designada por «sinagoga». Nada disto tem a ver, portanto, com a imponente Igreja católica enquanto instituição formal estruturada e oficializada, sobretudo a partir do Concílio de Niceia, realizado mais de 300 anos após a morte de Cristo.

               As Bíblias correntes costumam traduzir do seguinte modo o primeiro passo acima invocado de Mateus, em que Jesus diz a Simão Barjona: «Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja» (Mateus 16, 18). Na verdade a versão deverá ser: «Tu és um rochedo [gr. petros], e sobre esta/essa rocha [gr. epi tautê tê petra] edificarei a minha comunidade [gr. ekklêsia]», e nesta forma original, mais simples (mas talvez mais misteriosa) do que a versão corriqueira, decorrente de posteriores formulações dogmáticas da Patrística, sobretudo latina, e dos concílios, dificilmente descortinamos a fundação do papado tal como a Igreja pretende. Vejamos porquê :

               Aquela frase pode ter eventualmente dois significados, dependendo do sentido que se atribuir ao adjetivo demonstrativo tautê (dativo de autê, «esta» ou «essa»). Ou seja, epi tautê tê petra pode traduzir-se «sobre essa rocha (pedra)» ou «sobre esta rocha (pedra)». Teremos então duas possíveis interpretações divergentes :

A) «Tu és um rochedo, e sobre essa rocha, ou sobre essa pedra, edificarei a minha comunidade» — que poderá querer dizer, sem grande esforço e «modernizando» um tanto o sentido, algo como: «Tu, Simão, és um penedo, um autêntico calhau, mas como os humanos durante muitas gerações ainda serão tão calhaus como tu, não terei outro remédio senão edificar a minha futura comunidade sobre essa pedra, que Eu sei que me vai negar três vezes (na verdade, ao longo dos séculos, a Igreja de Roma saída de ti negar-Me-á muitas vezes mais do que três, com fausto, sede de poder, um papado e uma corte de cardeais atulhados em insultuosas riquezas, inquisições, intolerância, infraternidade, cupidez, perversão, torturas várias, ódios, guerras, repressões, tiranias, enfim, um autêntico rol de tudo quanto é mais contrário ao que Eu preguei); mas apesar disso, ainda é essa a maneira menos má e mais segura de transmitir exotericamente a Boa Nova a gerações e gerações de grandes massas ignorantes».

B) «Tu és um rochedo, e sobre esta rocha edificarei a minha comunidade» — seguindo o mesmo raciocínio, pode-se interpretar assim: «Tu, Simão, és um penedo, um autêntico calhau, ainda por cima me vais negar três vezes, e como tal não podes servir de alicerce a uma futura comunidade que siga verdadeiramente os Meus ensinamentos mais puros, logo, sobre esta rocha, ou seja, sobre Mim mesmo, a pedra angular que os maus construtores rejeitaram, é que vou edificar a minha futura comunidade, baseada no Amor, na Verdade e na Vida — e quem melhor do que o Meu Discípulo Muito Amado, João, poderá servir de facho e guia, o discípulo capaz de receber e transmitir o Evangelho do Amor, cujos mais finos ensinamentos os empedernidos como tu, Simão, hão de perseguir e tentar eliminar ao longo dos séculos».

               A segunda alternativa, por exemplo, é defendida por alguns sérios exegetas que consideram que «esta pedra» sobre a qual Jesus construirá a Sua ekklêsia é o próprio Jesus, segundo Ele mesmo o diz mais adiante: «Nunca lestes nas Escrituras : A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se pedra angular; isto aconteceu por obra do Senhor, e é admirável aos nossos olhos ?» (Mateus 21, 42). O próprio Simão (Pedro) o confirma, já depois da Ascensão de Cristo, no discurso que proferiu no Sinédrio : «[Jesus Cristo, o Nazoreu] é a pedra rejeitada por vós outros, construtores, que se tornou pedra angular» (Actos 4, 11), e Paulo enuncia claramente que Cristo é a «pedra espiritual» (1 Coríntios 10, 4). Daí a capital importância, para o aspirante à Senda do Espírito, de «imitar Cristo» para que Cristo nasça e se forme nele: «E vós mesmos, como pedras vivas [gr. lithoi zôntes], entrai na construção dum edifício espiritual, para um sacerdócio santo» (1 Pedro 2, 5).

               Mais ainda : Em continuação daquela frase dita a Simão Barjona, Jesus acrescenta: «Dar-te-ei as chaves do Reino dos céus, e o que ligares na terra será ligado nos céus, e o que desligares na terra será desligado nos céus» (Mateus 16, 19), o que deu azo à estranha doutrina de que Deus obedece ao papa.

               Mas a verdade é que Jesus não limita apenas a Simão (Pedro) a faculdade de se lhe repercutir «no céu» o que atar ou desatar «na terra», pois alguns dias mais tarde, falando aos Seus discípulos em Cafarnaúm, repetiu, desta vez para todos: «Em verdade vos digo, o que ligardes na terra será ligado nos céus, e o que desligardes na terra será desligado nos céus» (Mateus 18, 18). É um ensinamento importante, este de Jesus aos Seus discípulos : Tudo quanto se ata ou desata cá em baixo, tudo quanto se tece ou destece — e não só pelas mãos de Pedro, ou do papa !

               Portanto, a interpretação dos católicos sobre essa questão de Pedro ser o primeiro "papa da Igreja", não se sustenta face ao próprio conceito das palavras rochedo [gr. petros]; rocha [gr. epi tautê tê petra]; da incumbência dada aos outros Apóstolos, a qual foi a mesma dada a Pedro e também e da palavra "Igreja" = ekklêsia, em grego, a qual significa simplesmente : «assembleia de convocados», e não uma grande construção suntuosa com torres imponentes, luxo e ostentação, como quer o catolicismo de Roma.


2) “ A partir daí, o cristianismo começou a se espalhar pelo mundo, principalmente Paulo e Pedro fundarem a igreja de Roma.”

Resposta : Pedro nunca esteve em Roma - Não é interessante observar que o chefe da igreja de Roma nunca esteve em Roma ? Os católicos lançam mão de fontes extra-bíblicas para afirmar que Pedro esteve em Roma.


3) “ No final do primeiro século, haviam algumas igrejas cristãs espalhadas principalmente na Ásia e no mediterrâneo oriental, e estas igrejas se comunicavam frequentemente por cartas pastorais, e seus legados (ou bispos) sempre se correspondiam, e assim era mantida precariamente a unidade. Imagine você se Cristo tivesse unicamente mandado aos seus apóstolos que pregassem "amai-vos uns aos outros" e cada qual saíssem falando isto pelo mundo afora, sem ter o mínimo de bom senso de se organizarem. Os cristãos hoje seriam conhecidos como uma seita de loucos que achavam que "deviam amar seus inimigos"... Seriamos engolidos pela poeira dos tempos. É claro que Deus é poderoso e pode tudo, mas com certeza, não era intenção Dele deixar os apóstolos abandonados à própria sorte. ”

Resposta : A igreja católica, que conhecemos hoje, é o resultado de alterações feitas à partir da igreja primitiva. Segundo Aurélio, “...o catolicismo romano é a religião que reconhece o Papa como autoridade máxima, que se expande por meio de sacramentos, que venera a virgem Maria e os santos, que aceita os dogmas como verdades incontestáveis e fundamentais e que tem como ato litúrgico mais importante a missa”. O que esses princípios têm em comum com os fundamentos e princípios da igreja primitiva ? Nada !

A alteração dos princípios cristãos começou já em meados do século III, onde houve o primeiro rompimento sério dos cristãos, por causa da introdução dos batismos de crianças. O rompimento foi chamado de “desfraternização”. No século IV, Constantino ascendeu ao posto de Imperador. Este apoiou o cristianismo e o fez a religião oficial do Império Romano. Assim sendo, muitos ímpios se tornaram cristãos por motivos políticos e escusos. Constantino convocou em 325 d.C. o Concílio de Niceia onde surgiu o catolicismo romano influenciado por doutrinas pagãs. Como pôde haver essa junção entre o cristianismo e Roma? Roma que sempre foi centro de idolatria em que seus imperadores eram considerados deuses. Alcides Peres conta que em 326 d.C., um ano depois do Concílio, Constantino vai a Roma para celebrar o vigésimo ano de seu reinado. Por intriga palaciana, manda prender seu filho Crispo, que é logo julgado, condenado e morto pelo próprio pai... Foi esse homem que deu origem a esta junção do catolicismo com o romanismo.

Muitas doutrinas estranhas continuaram a penetrar no catolicismo romano, fazendo que cada vez mais a igreja católica se distanciasse de sua origem. Citarei alguns exemplos dando datas aproximadas :

- A oração pelos mortos começou a ser aceita por volta de 300 d.C.

- O começo da exaltação a Maria onde o termo “mãe de Deus” surgiu pela primeira vez em 431 d.C.

- A doutrina do purgatório em 593 d.C.

- A adoração de imagens e relíquias em 786 d.C.

- A canonização dos santos mortos em 995 d.C.

- O celibato do sacerdócio em 1079 d.C. E assim em diante...


4) “ Você meu caro, como alguns irmãos protestantes, fazem confusão dos acidentes com a doutrina. Confunde a instituição com os homens que as dirigiram. ” “...Já houveram políticas erradas na igreja: as cruzadas e a Inquisição que o digam, mas nunca houve um desvio ou contradição na doutrina, e no fim, é isto o que conta e o que dá a estabilidade que a Igreja tem hoje. ” ( destaque ).

Resposta : Acredito que o protestantismo tenha mais semelhança com o Catolicismo do que com o Espiritismo. Por outro lado, é evidente que a Doutrina Teórica e filosoficamente correta é a mesma dos tempos passados. O que não se pode, é usar da Doutrina para justificar os acidentes. Veja o que diz um representante do Catolicismo e que muitos fiéis acham “o sábio da Igreja”, o Sr. Fedeli, do Site Montfort :

“... mas, quando Pedro cortou a orelha do servo, Cristo disse-lhe: " Pedro, mete a espada na baínha, porque quem com o ferro fere com o ferro será ferido". (Cfr. Mt XXVI, 52 citando Números, XXXV, 16 . Repare que Jesus não mandou Pedro jogar fora a espada. Mandou guardá-la, para que Pedro, quando fosse seu representante na Terra, a usasse contra quem ferisse ou matasse outro com a espada. ”

Será que Jesus pregou matanças em seu nome ? Usar dessa passagem do Evangelho para justificar os assassinatos que houve na Inquisição, “em nome de Deus”, é no mínimo hipócrita, absurda e totalmente contrária aos ensinamentos de Cristo quando disse: “Amai-vos uns aos outros...” Se isso não for um “desvio da Doutrina”, então é uma contradição. E finalmente, se não for contradição, é uma interpretação tendenciosa, subjetiva, maldosa e ardilosamente usada para “tentar” justificar o “injustificável”. Ou será que essa interpretação do Sr. Fedeli e de outros representantes do Catolicismo foi “inspirada” pelo Espírito-Santo ?

5) “ ...Inimigos é o que não nos falta... ”

Resposta : Paulo, por acaso, aqueles que nos apontam os erros, no intuito de nos fazer refletir, devem ser considerados inimigos ? Aquele amigo que está sempre concordando conosco, até em nossos erros, é realmente nosso amigo ou simplesmente não quer se aborrecer com discussões ? As críticas construtivas deveriam servir para o aprimoramento e não serem consideradas como um estorvo a se evitar.

6) “A igreja é o conjunto de todos os fiéis, que aceitaram Cristo como seu salvador e seguem a sua doutrina ”

Resposta : Concordo plenamente. A reunião de um grupo que aceita Cristo como seu Salvador e seguem a Sua Doutrina é SIM a verdadeira Igreja de Cristo.

7) “Hora, veja só Jefferson, você pode até pensar que a Bíblia pode estar errada, e achar que as dúvidas que voce porventura tenha deverão ser respondidas ou por você mesmo ou por um "espírito esclarecido ”

Resposta : Acho bastante radical essa afirmação. Os Kardecistas, de um modo geral, jamais afirmam que a Bíblia “está errada”. Dizer isso, é afirmar que todo o seu conteúdo está errado. O que é um absurdo ! Por favor entenda : O que, às vezes dizemos, é que algumas passagens da bíblia foram alteradas. E certamente isso ocorreu para que alguns clérigos fugissem às refutações.

8) “... que a Bíblia é a palavra de Deus...”

Resposta : Sem dúvida, a Bíblia é a palavra de Deus. E eu concordo com Você. Só que acho que a frase acima deveria ser completa, ou seja : A Bíblia é a palavra de Deus, mas foi, aos poucos, sendo alterada, de acordo com a conveniência dos homens.

9) "... A Bíblia foi escrita por homens inspirados por Deus...."

Resposta : Mas, afinal, que inspiração foi essa ? Veja o relato abaixo de um historiador e escritor, pouco conhecido dos meios católicos. Seu nome é Roberto C. P. Júnior, em março de 1997 :

Os quatro evangelhos canônicos, que se acredita terem sido inspirados pelo Espírito Santo, não eram aceitos como tais no início da Igreja. O bispo de Lyon, Irineu, explica os pitorescos critérios utilizados na escolha dos quatro evangelhos ( reparem na fragilidade dos argumentos...) : "O evangelho é a coluna da Igreja, a Igreja está espalhada por todo o mundo, o mundo tem quatro regiões, e convém, portanto, que haja também quatro evangelhos. O evangelho é o sopro do vento divino da vida para os homens, e pois, como há quatro ventos cardeais, daí a necessidade de quatro evangelhos. (...) O Verbo criador do Universo reina e brilha sobre os querubins, os querubins têm quatro formas, eis porque o Verbo nos obsequiou com quatro evangelhos”.

As versões sobre como se deu a separação entre os evangelhos canônicos e apócrifos, durante o Concílio de Niceia no ano 325 D.C, são também singulares. Uma das versões diz que estando os bispos em oração, os evangelhos inspirados foram depositar-se no altar por si só !!! ... Uma outra versão informa que todos os evangelhos foram colocados por sobre o altar, e os apócrifos caíram no chão... Uma terceira versão afirma que o Espírito Santo entrou no recinto do Concílio em forma de pomba, através de uma vidraça (sem quebrá-la), e foi pousando no ombro direito de cada bispo, cochichando nos ouvidos deles os evangelhos inspirados...

10) “... A ação de Deus fica evidente quando você nota que a doutrina é a mesma, e que não existe contradição doutrinária entre os livros. ...”

Resposta : Certamente, não existe contradição doutrinária entre os livros simplesmente porque alguns livros foram sumariamente eliminados dos textos evangélicos. Por que será ? Quais foram os motivos para excluir alguns Livros das Santas Escrituras definitivamente ? Será que os "santos padres" daquela época se achavam superiores aos Apóstolos e mártires que vivenciaram de perto os acontecimentos relacionados a Cristo e ao judaísmo ? De que poder esses mesmos "santos padres" se revestiam a ponto de afirmarem que alguns Textos Evangélicos não representavam os ensinamentos e a Palavra de Deus ? Certamente, dirão os católicos, foi o “Espírito-Santo” quem determinou a eliminação dos livros denominados “apócrifos”. Mas pelo que foi relatado acima, tal inspiração, foi no mínimo pitoresca...

Os católicos não foram unânimes quanto a inspiração divina nesses livros. No Concílio de Trento houve luta corporal quando este assunto foi tratado. Lorraine Boetner ( in Catolicismo Romano ) cita o seguinte : " O papa Gregório, o grande, declarou que primeiro Macabeus, um livro apócrifo, não é canônico. O cardeal Ximenes, em sua Bíblia poliglota, exatamente antes do Concílio de Trento, exclui os apócrifos e sua obra foi aprovada pelo papa Leão X. Será que estes papas se enganaram ? Se eles estavam certos, a decisão do Concílio de Trento estava errada. Se eles estavam errados, onde fica a infalibilidade do papa como mestre da doutrina ? "

No inicio do cristianismo, os evangelhos eram em número de 315, sendo posteriormente reduzidos para 4, no Concílio de Niceia. Tal número indica perfeitamente as várias formas de interpretação local das crenças religiosas da orla mediterrânea, acerca da ideia messiânica lançada pelos sacerdotes judeus.

Celso, erudito romano, contemporâneo de Irineu, entre os anos 170 e 180 D.C, disse: "Certos fiéis modificaram o primeiro texto dos Evangelhos, três, quatro e mais vezes, para poder assim subtraí-los às refutações".

Foi necessária uma cuidadosa triagem de todos eles, visando retirar as divergências mais acentuadas, sendo adotada a de Hesíquies, de Alexandria; e de Pânfilo, de Cesaréía e a de Luciano, de Antióquia. Mesmo assim, só na de Luciano existem 3.500 passagens redigidas diferentemente. Disso resulta que, mesmo para os Padres da Igreja, os Evangelhos não são fonte segura e original.

9) “ ... Este tipo de convencimento envolve quebra de orgulho e de vaidades pessoais, e sei como elas são duras de serem vencidas. ...”

Resposta : Paulo, será que essa quebra de orgulho e vaidade também não poderia ser aplicado aos Católicos quando afirmam que o Papa é infalível, que a verdade está com a Igreja, que tudo o que vem da Igreja é obra do “Espírito-Santo”, e coisas do gênero ? A pergunta fica no ar ...

Fui católico até os meus 27 anos. Nunca em minha vida disse que a Igreja Católica foi perniciosa em minha vida. Pelo contrário ! Muito do meu caráter devo à formação que recebi dos meus pais católicos. Agora, não é por causa disso, que eu tenho que fechar os olhos às mazelas que houve e que ainda há na Igreja. E Jamais tentaria justificar assassinatos “em nome de Deus” como fez o Sr. Fedeli, em seu comentário anteriormente descrito.

10) “...Em verdade, em verdade, eu vos digo : Se um homem não renascer da água e do Espírito, não pode entrar no Reino de Deus". Com isto você não está querendo me dizer que Jesus já estava falando de reencarnação, não é mesmo? Ora, por favor... “...Engraçado como você contesta a Bíblia e escolhe alguns trechos para dar respaldo para a sua doutrina ...”

Resposta : É estranho como Você se ateve exclusivamente ao mérito da questão e “se esqueceu” do objetivo principal da minha colocação, ou seja, as alterações feitas pelos homens nos Textos Bíblicos. Poderíamos ficar aqui discutindo por meses e até anos sobre a interpretação dessas palavras de Jesus. Mas eu pergunto : Valeria a pena ? É lícito dizer que “a minha interpretação é a verdadeira e a sua é a falsa ? Eu não me julgo o dono da verdade. Você se julga ? É claro que, novamente Você dirá que toda a interpretação católica é verdadeira pois foi “inspirada pelo Espírito-Santo”, não é mesmo ? A justificativa dada pelos católicos é sempre a mesma ! Qualquer coisa, dizem que usam a inspiração do “Espírito-Santo” para dar respaldo às suas “verdades”. Se formos nos basear na “inspiração do Espírito-Santo” descrita na resposta à questão 9.... Ora, faça-me o favor ... Por que os Católicos não assumem, e com dignidade, que as interpretações são dos homens mesmo ?

11) “...Engraçado como você contesta a Bíblia e escolhe alguns trechos para dar respaldo para a sua doutrina ...”

Resposta : Pela enésima vez : Não contesto a Bíblia como um todo. Apenas contesto as alterações que os Homens fizeram em alguns de seus textos originais. E quanto a isso, Você não negou essa afirmativa, quando eu disse : “Podemos hoje acrescentar que as modernas traduções já restituíram o texto primitivo, pois que só imprimem ESPÍRITO e não ESPÍRITO-SANTO. Examinando a tradução brasileira, a inglesa, a em esperanto, a de Ferreira de Almeida, e em todas elas encontramos somente o termo "Espírito". Além dessas modernas traduções, encontramos a confirmação numa latina de Theodoro de Beza, de 1642, que diz: "...genitus ex aqua et Spiritu..." "...et quod genitum est ex Spiritu, spiritus est".

O que foi acima dito declara inequivocamente que a Bíblia foi alterada e depois, após reconhecido o erro, novamente corrigida. Era a isso que eu me referia. Agora, se Você quiser ficar discutindo sobre as interpretações a respeito de reencarnação e ressurreição, ficaremos anos discutindo e não conseguiremos convencer ninguém. É isso o que Você quer ?

12) “...Nós acreditamos na Verdade que é Jesus Cristo. A Igreja (não só a católica, bem como a ortodoxa e as protestantes que seguem a doutrina cristã) são depositárias da doutrina de Cristo, ou melhor, da Verdade revelada por Jesus Cristo. Isto quer dizer para nós que o que contradiz esta Verdade é errado...”

Resposta : Mais uma vez Você acaba, por via indireta, dizendo que a verdade está com os Católicos e suas vertentes. Acabamos de ver que a Bíblia foi alterada inúmeras vezes pelos homens ( e isso Você não contestou ). Acabamos de ver que certas pessoas, ditas como representantes da Igreja, baseadas em passagens da bíblia, usam de interpretações ardilosas e capciosas para tentar justificar assassinatos “em nome de Deus”, como foi o caso do Sr. Fedeli. Será que “assassinatos em nome de Deus”, defendidos pelo Sr. Fedeli, são “Verdades reveladas por Jesus”, como Você disse acima ? É muito simples e cômodo dizer que “estamos com a verdade revelada por Jesus”. Dizer isso, todo mundo, orgulhosamente, pode dizer.

13) “...Então cada um conta qual é a sua verdade, e ficamos conversados? Não acha mais temeroso relativizar a verdade ? Onde qualquer um escolhe aquela que lhe satisfaz e interessa particularmente ? ...”

Resposta : Não quero relativizar a verdade. Só acho que ninguém é o dono dela. Considero pretensioso dizer que Jesus somente a revelou àqueles que seguem o catolicismo e suas vertentes. Jesus revelou a verdade a todos os seres humanos. Porém alguns se “apoderaram” dela, a “monopolizaram” e a modificaram a seu gosto, etc ...

14) “...Dizer que a Igreja era contra a ciência, as artes e a cultura é muita ingenuidade e falta de conhecimento ...”

Resposta : E quem disse isso ? Ingenuidade e falta de conhecimento demonstram aqueles que defendem certas posições da Igreja, a qual orgulhosamente se opunha a qualquer pensamento que não fosse o seu próprio. E ai daquele que dissesse que a venda de indulgências era contrária a “verdade de Cristo”. Certamente seria lançado ao suplício da fogueira.

15) “ ... Como fica Paulo, quando afirma: "Está decretado que o homem morra uma só vez, e depois disto é o julgamento" (Hb 9, 27).”

Resposta : Não quero aqui estender-me em interpretações da Bíblia, pois esse anexo já vai longe ... Mas já que Você insiste, vamos aos fatos :

A interpretação da Bíblia pelos homens, possui caráter subjetivo. Aliás, as DIFERENTES interpretações são em número tão grande que resultaram nesse também imenso número de Religiões que hoje existem.

Ninguém hoje, pode dizer que detém o MONOPÓLIO das interpretações dos Textos Evangélicos. Isso seria uma pretensão descabida e ninguém pode se julgar o Senhor absoluto da verdade. Afinal, QUANDO foi que os apóstolos e mártires e todos aqueles que vivenciaram de perto a passagem de Cristo sobre a Terra, recomendaram às futuras gerações QUAIS AQUELAS que teriam o direito de INTERPRETAR seus legados que hoje estão reunidos sob a forma de Bíblia ?

                A passagem de Hebreus 9, 27 é citada inúmeras vezes como argumento contra a Reencarnação. Se Paulo estivesse querendo dizer que temos uma só vida aqui na Terra, por que ele então, não disse assim : Ao homem está determinado VIVER uma só vez ? No Novo Testamento é narrada a ressurreição da filha de Jairo, do filho da viúva de Naim e de Lázaro. Se de fato houve essas ressurreições, vale dizer que Eles morreram DUAS vezes !!! E aí, como ficamos diante da afirmativa citada ???

                E se eles não morreram duas vezes, temos que procurá-los para colocar esses indivíduos no Guinness, o Livro dos Records, pois a essas alturas, eles teriam mais de 2.000 anos !!!


                Já tinha ouvido o comentário, de um detrator do Espiritismo, de que essas foram as exceções à Carta de Paulo aos Hebreus ...

                Exceções ??? Ora, não são só três. Essas são só as mais conhecidas. Como se não bastasse, há na Bíblia a narrativa de 8 (oito) casos de ressurreição ( retorno do espírito ao corpo que jazia morto ).

                3 (três) ocorreram no Velho Testamento : O primeiro está no I livro dos Reis, no capítulo 17, versículos 21 e 22 ; o segundo, no II livro dos Reis, no capítulo 4, versículos 32-37 ; e o terceiro, também no II livro dos Reis, no capítulo 13, versículos 20 e 21.

                Os outros 5 (cinco) casos são narrados no Novo Testamento. Três deles foram realizados por Jesus, e os outros 2 foram realizados por Pedro e por Paulo, respectivamente, narrados nos Atos dos Apóstolos, capítulo 9, versículos 36-42, e capítulo 20, versículos 7-12. Os realizados por Cristo são citados em Mateus, capítulo 9, versículos 18-25; Lucas, capítulo 7, versículos 11-17 e João, capítulo 11, versículos 1-43.

                Não restam dúvidas de que esses oito casos de ressurreição contrariam a passagem de Hebreus 9,27. Todavia, a Reencarnação não vai de encontro ao referido versículo, que é a pura expressão de uma Lei Divina irrevogável : A morte do corpo físico dá-se uma única vez e é um fenômeno irreversível.

                Pode-se, então, concluir que Deus abriu oito exceções a uma de Suas Leis ??? Ora, não é a verdade, porque a concessão de privilégios é atitude própria dos seres imperfeitos, como nós, os homens, mas não dos seres perfeitos, como Deus. É uma questão simples, de raciocínio lógico. Deus é imutável porque é perfeito, pois a onisciência é um de Seus atributos. Portanto, se Ele abre exceções, deixa de ser imutável. E se privilegia somente 8 seres humanos com uma segunda vida, no mesmo corpo de carne e no mesmo período terreno, está agindo com parcialidade, quando sabemos muito bem que Deus é um Ser imparcial, porque trata a todos igualmente. As desigualdades que existem no mundo são consequências dos atos e ignorâncias humanas.

                Ademais, Paulo, não estava de forma alguma combatendo a Reencarnação, pois não é o contexto dessa narrativa. Mas, por outro lado, não deixa de ser uma verdade, já que o corpo que possuímos em cada Reencarnação, realmente morre somente uma vez.

Além disso, esse versículo tem sido uma pedra de tropeço para todos os que desconhecem o que realmente é a reencarnação, limitando-se a ler a letra que mata e não percebendo o espírito que vivifica. Não há contradição nenhuma entre o que diz Paulo nesse versículo e a teoria da reencarnação. Mas vamos por partes :

* Inicialmente, ninguém precisa acreditar na reencarnação como dogma, pois que ela existe, creiam os homens nela ou não. Da mesma maneira, não é pelo fato de alguns homens não crerem em DEUS que Ele deixará de existir.


* Um Espírito necessita conhecer e praticar o Bem, progredir, evoluir e subir tanto, tanto, que chegue, como diz Paulo na Epístola aos Efésios, a ser igual a JESUS. Eis suas palavras: "Até que todos cheguem à unidade da Fé, ao pleno conhecimento do FILHO DE DEUS, ao estado de homem feito à medida da estatura da plenitude do CRISTO" (Efésios, 4: 13).

* Ora, haverá homem sobre a face da Terra que tenha a pretensão de poder chegar até essa altitude numa só vida humana ? Percorrendo a história da Humanidade, APONTEM-NOS QUEM JÁ CHEGOU LÁ, EXCETO O PRÓPRIO JESUS ? No entanto Paulo diz: "...até que TODOS. cheguemos..." TODOS ...

* Então se o Espírito necessita evoluir até esse ponto, evidentemente o fará por intermédio de muitas vidas no corpo, neste tabernáculo no qual habitamos temporariamente, no dizer de São Pedro (II Pedro, 1: 13 e 14).

* Ora, é fora de qualquer dúvida que cada homem só pode morrer uma vez...e depois disso vem o juízo que determinará para onde irá o Espírito : para as zonas de luz ou para as zonas de trevas. Só morreram "duas vezes", segundo a interpretação comum, aqueles que foram ressuscitados, como Lázaro... ninguém mais. Cada homem (conjunto de Espírito e corpo) só pode morrer uma vez. Porque, separado que esteja do corpo, não mais se poderá a ele se unir, a não ser por outro nascimento.

* Então qual a dificuldade de compreender-se, dentro da teoria da reencarnação, a frase de Paulo ? Nenhuma. Está certíssima : "É ordenado aos homens que morram uma só vez, e depois disso vem o juízo".

* Entretanto é inegável que o homem morre, ou seja, que a personalidade deixa de existir, naquela sua união terrena. E isso logicamente só pode OCORRER UMA VEZ em cada personalidade, em cada homem.

* Desaparece, então, a personalidade daquela vida terrena. Mas prossegue, em forma ainda invisível aos sentidos da maioria dos seres humanos, a parte eterna de todos nós: o Espírito imortal, a Individualidade. Diz o CRISTO que o Espírito sopra onde quer, isto é, manifesta-se onde for necessário à sua evolução, até integrar-se no Amor Universal, em DEUS. E isto, na Terra, se dá por meio das reencarnações.

                Além de tudo isso ( e por outro lado ), se formos analisar tudo ao pé da letra, ficaremos diante de uma contradição, senão vejamos : Se LOGO EM SEGUIDA à nossa morte, virá o juízo ( pressupõem-se que cada um terá um juízo após a sua morte ), qual a necessidade do JUÍZO FINAL, tão apregoado pelas Religiões Ortodoxas, se anteriormente já fomos julgados ? Será que se formos condenados ao "inferno" no primeiro juízo poderemos de lá sair quando do juízo final ? Ficam aí estas perguntas para quem quiser responder.


16) “... O que deve ser complicado para você entender é que DEUS não é obrigado a nos salvar porque fomos bonzinhos, ou porque fizemos a coisa certa. Deus nos salva porque ele quer, e nos dá a salvação gratuitamente, caso nos converta-mos... ”

Resposta : Complicado é o jogo de semânticas utilizado sem o menor objetivo. O que significa “ser bonzinho” para Você ? Por acaso, a pessoa que pratica boas ações ( ser bonzinho ) é malvisto por Deus ? A palavra conversão pode ser entendida como o voltar-se a Deus, seguindo seus ensinamentos. E quem segue os ensinamentos de Deus não pratica boas ações ? É bom que se entenda definitivamente que os Kardecistas, (refiro-me aos verdadeiros Kardecistas ) além da prática das ações voltadas ao bem do próximo, procuram também a Deus em suas orações. Afinal, que mal há em se praticar boas ações e ao mesmo tempo voltar-se para Deus ? Desse jeito, parece que estamos falando a mesma coisa, mas em línguas diferentes !!!

17) “...Se não fosse assim, Cristo seria um mentiroso, pois na Cruz disse a Dimas, um ladrão que o reconheceu como o Messias: “Ainda hoje estarás comigo no Paraíso!” Dimas era um ladrão, um merecedor da cruz, o pior castigo que a justiça romana aplicava, somente reservado aos piores meliantes. Cristo apagou toda a culpa dele porque houve o arrependimento e a conversão. ”

Resposta : Acredito, sem sombra de dúvidas, que o Ladrão Dimas tenha seguido com Cristo à morada de Deus. Mas com isso, não devemos extrapolar e dizer que TODOS irão para a morada de Deus, caso se convertam. Imagine Hitler, que assassinou ( ou mandou assassinar ) cerca de 6 MILHÕES de seres humanos. SE ele chegasse ao final da vida ( não me refiro ao suicídio ) e, com cara de santinho, dissesse chorando que estava arrependido de tudo, também Hitler iria para o Paraíso ?

Quer dizer que basta se converter ( nem que seja no final da vida ), dizer que está arrependido de assassinar, estuprar, roubar, que imediatamente estará no paraíso ? Que religião boazinha !

Desculpe a brincadeira, pois sei que Você pensa que não é bem por aí... Mas é aí que mora o perigo ! Muitos convertidos de última hora acham EXATAMENTE ISSO, ou seja, interpretam literalmente dessa maneira. E com isso, a reforma íntima fica adiada para o final da vida, quando já aproveitaram bastante, fizeram tudo para se dar bem na vida, e quando chega o final, se arrependem, perdem perdão, chamam o padre para a extrema-unção e assim acham que vão para o Paraíso ...

É claro que Deus vê o íntimo de cada um e somente chamará para a Sua direita àqueles que REALMENTE seguiram os Seus ensinamentos. Mas o mal está naqueles que ingenuamente ( ou maliciosamente ) aplicam para si, de forma conveniente, alguns ensinamentos que dão margem às suas próprias interesseiras interpretações.

18) “...A verdade que Deus é Bom, infinitamente bom, e os espíritas não entendem isto… A doutrina espírita é cruel, e menospreza a bondade de Deus. Sistematiza um processo de purificação espiritual que independe da Vontade Divina e banaliza toda a promessa do Evangelho de Jesus Cristo. ”

Resposta : Eu disse anteriormente que ninguém pode se julgar o dono da verdade. E até Você mesmo chegou a concordar quando disse : “ ... não que somos o sabichões do universo...” E agora Você vem dizer que nós Espíritas não entendemos que Deus é infinitamente Bom ? Mas que BARBARIDADE !!! Repudio radicalmente tal afirmação ! Nós Espíritas SEMPRE afirmamos que Deus é infinito em TUDO, justiça, misericórdia, compreensão e BONDADE.

Surpreende-me Você dizer que a Doutrina Espírita é cruel e menospreza a bondade de Deus. Cuidado com as palavras, Paulo, pois não admitimos ofensas. Já disse em meu último e-mail : Procure conhecer um pouco dos princípios de Kardec antes de emitir opiniões desprovidas de fundamento, arraigadas em preconceitos e ensinamentos baseados em fé cega ! E logo Vocês que acreditam no fogo do inferno, cujos tampos os anjos levantam para ver as contorções dos supliciados ; e Deus, sem piedade, ouve-lhes os gemidos por toda a eternidade... Quer crueldade maior do que essa ?

Dizer que banalizamos toda a promessa do Evangelho de Jesus Cristo, é de um desconhecimento do Kardecismo, que ultrapassa os limites do bom senso. Temos vários parâmetros a seguir e dentre eles, jamais dispensaríamos o Evangelho de Jesus. E principalmente Jesus, o qual é referência para qualquer Kardecista. Entenda isso de uma vez por todas !!!

19) “...mas não podemos acreditar que cada um possa interpretar a Bíblia, a vida e as verdades espirituais segundo sua própria ótica. Este foi o grande equívoco de Martinho Lutero. Cairíamos assim na relativização da Verdade, onde qualquer coisa é possível, desde que seja razoável para mim. Isto levaria, com o tempo, a um esvaziamento espiritual progressivo, e por fim culminaria na total perda da razão. ...”

Resposta : Já fiz uma análise a respeito dos “donos da verdade” nas questões 10, 12, 13, 14 e 15.

Quer dizer que a venda de indulgências era lícita, pura e verdadeira, ou seja, uma inspiração de Deus ? Ora, Paulo, será que Você não conhece os relatos da História ? Se não conhece, vou aumentar ainda mais esta carta :

- A Igreja Romana da época costumava dizer que algumas pessoas possuíam mais méritos do que tinham necessidade, para serem salvas. Por isso, este "mérito extra" dessas pessoas poderia ser transferido - especialmente através de pagamento - para pessoas cuja salvação era duvidosa. Martim Lutero protestou contra esta prática, chamada de indulgência.

- No dia 31 de outubro de 1517, Lutero tornou públicas suas 95 Teses contra a venda de indulgências. Com este gesto desencadeou o processo da Reforma.

- Indulgências eram recibos de perdão de pecados passados e futuros. Os pecados eram perdoados a peso de ouro.

- Até pelos mortos se podia comprar indulgências. Uma das frases mais usadas era : "Quando o dinheiro na caixa cai, a alma do purgatório sai ".

- Em pouco tempo, as 95 Teses estavam espalhadas por toda a Alemanha.

- Em 30 de maio de 1518, Lutero enviou suas Teses ao Papa Leão X, pois estava convicto que o Papa iria apoiá-lo contra os abusos das indulgências.

- No dia 3 de janeiro de 1521, Lutero é oficialmente excomungado da Igreja Católica.

- Conclusão : Tal fato só poderia ser levado a termo se as pessoas desconhecessem que não era preciso “comprar” suas salvações e sim trabalharem intimamente a Reforma Espiritual para se tornarem dignos de elevação na Escala dos eleitos de Deus.

Não quero aqui defender Lutero, Calvino, ou quem quer que seja. Os protestantes possuem lá os seus princípios e os Espíritas possuem outros. Mas concordar com a venda de indulgências, nos termos colocados acima, já é um pouco demais...

É claro que a Igreja possui outra versão histórica para as “indulgências”. Dificilmente os Católicos admitem os fatos históricos relatados acima. Bem, existe um ditado : “O pior cego é aquele que não quer ver ”.

20) “...Ou você ousaria dizer que sua razão pode chegar a compreender o mistério último. Se você acha que sua razão pode fazê-lo conhecer (ou saber) Deus, então você se equiparará à Deus, e se tornará também Deus, e isto, meu caro, é a maior de todas as blasfêmias.”

Resposta : Parece-me que Você tem o estranho hábito de querer definir o que os Kardecistas fazem ou devem fazer. Você não é Católico ? Então Você deve saber bem o que os católicos fazem ou deveriam fazer, não é mesmo ? Mas quanto aos Espíritas... você demonstra total desconhecimento. Volto a repetir : Se quiser falar de Espiritismo, leia primeiro os livros de Kardec. Blasfêmia foi a sua afirmação acima. Basta de opiniões baseadas em preconceitos e visão estreita da nossa realidade.

JAMAIS alguém poderá se igualar a Deus, pois Deus é perfeito. Consideramos o aperfeiçoamento espiritual como infinito, logo, como poderá um dia terminar ? É por isso que nunca poderemos nos igualar a Deus. Ele já é perfeito, nós somos apenas perfectíveis. Podemos ser melhores hoje do que fomos ontem e melhores amanhã do que o somos hoje, mas o processo é contínuo, sem fim. A perfeição é uma estrada, não um destino.

21) “...enumerando algumas sérias divergências doutrinárias entre catolicismo e espiritismo”.

Resposta : Cristianismo, Paulo, é o conjunto das religiões cristãs, i. e., baseadas nos ensinamentos, na pessoa e na vida de Jesus Cristo. Cristianismo não são adições feitas pelos homens à Lei de Deus. Jesus fez alusão a esse fato quando disse : “Toda planta que meu Pai Celestial não plantou, será arrancada. Deixai-os ! São cegos que conduzem cegos. Se um cego conduzir outro cego, ambos caem no fosso ! (São Mateus, Cap. XV, v. de 1 a 20). Certamente Você e a Igreja têm outra interpretação para essas palavras de Jesus. É um direito que lhes assiste ...

Além disso, Paulo de Tarso nos advertiu: “Mas ainda a que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já tenho anunciado, seja anátema.” (Gl 1.8). E em Rm 3.4 está escrito “...sempre seja Deus verdadeiro e todo o homem mentiroso.”

Portanto, será que podemos dizer que uma pessoa não é cristã se ela não acreditar nas adições que o Homem fez aos ensinamentos de Deus ? Dizer isso, Paulo, é de uma pretensão sem par. Quando foi que Jesus ensinou : Infabilidade do Papa ; O valor da vida contemplativa e ascética ; Sacramentos ; Confissão a religiosos ; Purgatório e outras afirmações do gênero ?

22) “...Apesar de tudo isso muitos continuam a proclamar que "o Espiritismo e o Cristianismo ensinam a mesma coisa..."

Resposta : Se o Cristianismo ensina : Amar uns aos outros ; não faças aos outros aquilo que não queres que te façam ; Libertação dos vícios do orgulho e da vaidade ; Ter simplicidade e pureza de coração ; Perdão aos seus semelhantes para que Deus também vos perdoe ; Reconciliação com os adversários ; Fazer o bem sem ostentação ; A caridade moral e material ; Preservar-se da avareza ; Desprendimento dos bens terrenos ; Coragem da Fé ; Carregar sua Cruz ; Fé e Caridade e outros princípios, então o Espiritismo é igual ao Cristianismo SIM.

Se Vocês acreditam em ressurreição e nós em reencarnação, isso já é outra história. Interpretar a bíblia, de forma contrária a reencarnação, dizendo que foi por obra do “Espírito-Santo” e, portanto, a verdade estaria com os Católicos, é muito cômodo, mas não convence. Se for assim, diremos que interpretamos a Bíblia com a ajuda dos Espíritos eleitos de Deus, logo, Nós é que estamos com a verdade. Mas não se preocupe, pois não somos pretensiosos. A verdade está é com Deus e os homens anseiam em buscá-la. Mas primeiro despojemo-nos do orgulho de dizer que Deus revelou a verdade somente àqueles que seguem o Catolicismo e suas vertentes. A verdade, cabe-nos alcançá-la com resignação e principalmente humildade.

23) “Não se ache no meio de ti quem faça passar pelo fogo seu filho ou sua filha [magia negra], nem quem se dê à adivinhação, à astrologia, aos agouros, ao feitichismo, à magia, ao espiritismo, à adivinhação ou à evocação dos mortos, porque o Senhor, teu Deus, abomina aqueles que se dão a essas práticas..." (Deutr 18,9-13). “

Resposta : Em primeiro lugar, achei estranho o teor dessa passagem da Bíblia. O segmento AO ESPIRITISMO, foi acrescentado por Você ? Consultei uma versão da Bíblia Sagrada – da SBB - Sociedade Bíblica do Brasil, Brasília – DF, a qual contém o antigo e o novo Testamento. A página 213, contém o Cap.18 Vers. De 10 a 14. O teor é LITERALMENTE o seguinte :

10. Não se achará entre ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro ;

11. nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem consulte os mortos ;

12. pois todo aquele que faz tal cousa é abominação ao Senhor, e por essas abominações o Senhor teu Deus os lança diante de ti.

13. Perfeito serás para com o Senhor teu Deus.

14. Porque estas Nações, que hás de possuir, ouvem os prognosticadores e os adivinhadores; porém a ti Senhor teu Deus não permitiu tal cousa."

Engraçado, certamente, Você não concorda comigo, pois eu já disse reiteradas vezes que a Bíblia sofreu alterações. Mas até VOCÊ acabou de promover uma PEQUENA ALTERAÇÃO, introduzindo a expressão AO ESPIRITISMO, o qual NÃO consta nos textos originais da própria Bíblia. Interessante, não ? Agora, dizer que podemos concluir que os termos citados, como adivinhador, prognosticador ou necromante, querem dizer a mesma coisa que espiritismo, é de um desconhecimento e até mesmo leviandade que, sinceramente, surpreende-me!

Em segundo lugar, o Kardecismo não aconselha a ninguém a procurar o conhecimento do futuro, de antemão, pois temos uma missão a cumprir ( não confundir com destino ) e não devemos usar de subterfúgios para nos desvencilharmos de nossas tarefas.

Em terceiro lugar, essa passagem da Bíblia nada tem a ver com o Espiritismo de Kardec. Se o formulador da questão tivesse, ao menos, noções rudimentares dos princípios espíritas, não os confundiria com as seitas afro, como a Quimbanda e embusteiros que existem de toda sorte, como adivinhos, encantadores, pessoas que indagam aos mortos sobre o futuro, etc, os quais se utilizam de práticas pseudo-espirituais para iludir os incautos em sua boa-fé. Nigromancia ou Necromancia, significam adivinhação pela invocação dos espíritos ou magia negra. Isto nada tem a ver com os ensinamentos preceituados pela decodificação realizada por Kardec em seu primeiro livro. Tal afirmação é no mínimo ingênua, leviana e sem fundamento.


*********************


Paulo, o tamanho dessa carta me envergonha, mas como dizer o que penso a respeito das suas indagações, se não for de forma clara explícita ? Podemos discordar em muitos pontos mas acreditamos em Deus, Sua sabedoria, Sua infinita Justiça e Bondade. E é nesses pontos que devemos nos firmar. Como disse no teor do e-mail, acredito que na próxima mensagem, Você abordará as questões do 1º e-mail que eu enviei, ou seja, as riquezas do Vaticano, calculadas pelos banqueiros melhor informados, entre 10 a 15 BILHÕES DE DÓLARES. Como já disse, por que o Vaticano acumula tantos dólares, reaplica as sobras no mercado financeiro, enquanto muitos de seus fiéis morrem de fome pelo mundo ?

Também citei :

1) O fato do padre Marcelo Rossi, ir periodicamente a Brasília solicitar verbas ( milhões de Reais ) para a sua Igreja. Ou seja, mesmo aqueles que NÃO são católicos, são obrigados, através de impostos, a manter o Catolicismo no Brasil. Enquanto que as outras religiões são obrigadas a pedir auxílio aos seus seguidores. Será que isso é justo ?

2) Se um representante do Vaticano perguntasse a Cristo: "Que devo fazer para obter a vida eterna ?" Certamente que Cristo não poderia responder de um modo diferente deste: Se quiseres ser perfeito, vai, vende o que tens "(....)". E a Igreja lhe deveria objetar : "Se queres que eu cumpra a tua ordem de representar-Te na Terra, devo possuir os meios do mundo". É lícito arrogar-se à posição de representantes de Cristo sem seguir os Seus ditames ?

3) Talvez as pessoas que estudam a doutrina cristã e têm o mínimo de discernimento ( como o Senhor mesmo diz ) não têm conhecimento desses fatos, ou se têm, fazem vista grossa, para não ter que admitir tamanha contradição entre a "sua doutrina cristã" e os ensinamentos de Cristo.

4) Por oportuno, o Senhor sabia que antes do Concílio de Constantinopla ( 553 D.C ) a Igreja Católica aceitava a reencarnação ? O senhor conhece os verdadeiros motivos que levaram a Igreja a escamotear a suprimir o ensinamento da pluralidade das existências ? O Site http://jefferson.freetzi.com registra, através de HISTORIADORES IDÔNEOS, todos os fatos que explicam de forma inequívoca os acontecimentos. É claro que muitos poderão simplesmente ignorar tudo, fechar os olhos à realidade e aferrarem-se nas interpretações literais da Bíblia. Talvez isso seja mais cômodo ...

Repito, acredito que Você aproveitará a sua próxima mensagem para responder a este anexo e também às questões apontadas no meu primeiro e-mail, as quais foram novamente acima citadas.

Com consideração e apreço,

Jefferson















A Fé raciocinada e a Fé cega. O que significam ?            Padre Quevedo : Os seus Livros seriam os melhores do mundo ???            Assista ao Vídeo : O Vaticano já admite a comunicação com os Espíritos !!!            A lógica do Espiritismo frente à parapsicologia arcaica do Sr. Quevedo            Enfoques Religiosos e Científicos a respeito da existência de Adão e Eva            Católicos e Protestantes expõem seus argumentos contra o Espiritismo            Os originais em Hebraico e as divergências com as Bíblias atuais            Antigamente, a Igreja Católica aceitava a Reencarnação ...            Você sabia disso ???


PARA TOMAR CONHECIMENTO DESSES ASSUNTOS E MUITOS OUTROS, CLIQUE NO QUADRO ABAIXO :



Free Web Hosting