DIÁLOGO OBTIDO DE UM FÓRUM DE DEBATES. O TEOR DAS ARGUMENTAÇÕES É ÚTIL PARA ESCLARECER DÚVIDAS MUITO COMUNS COM RELAÇÃO À REENCARNAÇÃO.


Debate obtido do InForum by Insite. Com moderação da HP : A Busca da Verdade - http://br.geocities.com/abuscadaverdade/


Data : 31/07/2003 - 00:03:22
De : Mago
Assunto : Impossibilidade da Reencarnação



Olá a todos, gostaria que analisassem cuidadosamente o texto abaixo :


A Impossibilidade da Reencarnação


                Em todos os símbolos da antiguidade, em todos os mistérios religiosos, em todas as reminiscências que se projetaram através da imensidade dos séculos, encontramos, como base de toda iniciação, o arcano da correspondência ou da analogia que existe entre todas as coisas da terra e do céu, isto é, encontramos a afirmação de que a forma de todas as coisas naturais deve ser semelhante à forma de todas as coisas espirituais.

                Entre os magos antigos, este arcano estava subliminarmente gravado nas célebres tábuas de Esmeralda de Hermes Trimegisto e, quando os iniciados transpunham o limiar do Templo, segredavam-lhes aos ouvidos as palavras misteriosas ali gravadas: "Todas as coisas que estão em baixo são iguais às que estão em cima, para fazerem uma coisa só".

                Na oração Dominical, oração legada por Jesus aos discípulos, base da religião cristã, destacam-se as palavras: "Seja feita a Tua vontade tanto nos céus como na terra".

                Nossa impossibilidade de atingir, com instrumentos organizados para atuar no mundo material, as coisas do mundo espiritual, é evidente, mesmo porque nossos sentidos grosseiros não conseguem perceber muitas coisas relacionadas com a matéria, havendo fenômenos que escapam ao conhecimento dos estudiosos.

                Temos, pois, necessidade, enquanto nossos sentidos estiverem obscurecidos pelo véu material, de admitir a hipótese de um outro mundo, para dar coerência a este e tentar explicar o inexplicável.

                Admitamos, pois, a hipótese de um outro mundo como causa criadora deste, sendo, portanto, este um reflexo ou projeção do outro. Admitamos a existência de um mundo que seja o habitáculo e a sementeira das afeições, dos pensamentos, da consciência, enfim de todas estas coisas que incontestavelmente existem e que ainda não puderam ser isoladas da forma em que se manifestam.

                É racional presumir que, sendo este mundo um reflexo ou projeção sensível do outro, todas as formas do outro se cristalizam neste e é lógico admitir que as coisas que se encontram neste devem ser semelhantes às do outro. Ora como todo efeito participa da causa, conhecendo nós os efeitos poderemos presumir-lhes as causas. Desde o momento em que analisarmos com critério as coisas que se passam na terra, encontraremos por correspondência as que se passam nos céus. O bom senso nos dita que é muito mais lógico admitir a ordem e a harmonia em todos os métodos da criação do que admitir a desordem e a desarmonia (que resultariam em destruição).

                Não é, pois, possível admitir o desenvolvimento de fenômenos espirituais sem guardarem harmonia ou correspondência com o desenvolvimento de idênticos fenômenos materiais. Admitido esse postulado, analisaremos várias doutrinas que aceitam fenômenos de reencarnação, quer ele se realize no mundo das causas, quer se realize no mundo dos efeitos. Faremos o exame do assunto à luz clara das correspondências.

                Estudando o fenômeno na terra, encontramos logo a impossibilidade da retroatividade. Nunca o conteúdo voltará a ser continente, nunca a árvore voltará à semente de onde saiu nem o pinto voltará à casca do ovo que despedaçou. Como poderá um ser determinado e completo, com forma definida, transformar-se em um ponto indeterminado para voltar ao ventre materno ?

                Um espírito é uma semente divina lançada no meio que lhe é propício, para tecer gradativamente o invólucro apropriado, que lhe deve servir para seu desenvolvimento adaptando-o à sua evolução, até fixar um tipo na harmoniosa variedade do infinito de seres, conforme a liberdade que o Criador lhe permitiu e conforme a lei universal da criação. Assim, esta semente, que traz impresso o selo divino da Imagem e Semelhança de Deus, desenvolve-se e cresce, passando pelos vários graus desde a infância até a virilidade, de maneira a fixar um ser completo e um tipo definido.

                Se, por contingências atinentes à deficiência da matéria em que foi inserido o espírito, lhe venha faltar essa base material, seja por taras dissolventes de matéria ancestral, seja por ações premonitoras providenciais, aniquilando prematuramente o corpo, o desenvolvimento do espírito continuará no outro mundo pelo impulso adquirido neste. O espírito ficará sempre, depois de criado, um ser integral e definido, quer se complete no corpo terrestre, quer abandone o corpo prematuramente. Não é um gás qualquer que se possa comprimir ou dilatar, nem um fantasma sem forma. Como admitir que um ser assim completo possa voltar outra vez às trevas genéticas do ventre materno, depois de Deus ter dito: "Façamos o homem à Nossa Imagem e Semelhança?" (Gênesis 1:26) e de ter visto que tudo quanto fizera era muito bom? (Gênesis 1:31).

                A doutrina da reencarnação é uma doutrina que reduz o espírito a zero, fazendo-o voltar à situação de gérmen, para mergulhar novamente na treva embrionária e ressurgir em novo corpo, com vida nova, novo nome, novas afeições e novos pensamentos, até revestir-se de um invólucro material que se torna a pele de um cordeiro sem mácula, quando, então, cessa de reencarnar-se. Eu, por exemplo, teria sido troglodita, escravo romano, oficial de exército bizantino, frade capuchinho e, remontando, no tempo, teria sido espírito de jacaré e de chimpanzé, cana verde, pedra-pomes e até poeira sideral.

                Depois de tantas modificações, onde vamos encontrar a imagem e semelhança do Criador? Diante de tanta alteração para chegar ao ser humano, a semelhança com o Criador é irreconhecível. O livre arbítrio relativo do homem corresponde à Onipotência Divina, embora num grau finito. Pode-se aceitar o livre arbítrio do homem se ele nem sabe quem é realmente ? Como conciliar com a teoria da reencarnação a responsabilidade que compete a um ser cuja diferença única, mas incomensurável, dos outros animais é a consciência livre de sua existência e, portanto, de sua inconfundível individualidade?

                Segundo tal teoria, um assassino deve voltar a este mundo para ser assassinado. Para isso, é necessário encontrar outro assassino e, assim, indefinidamente. Isso seria multiplicar o mal e transformar uma lei de retaliação em dogma espiritual. Isso seria, em vez de preferir a linha reta da responsabilidade, escolher a linha curva da circunferência, que aprisiona sentimentos negativos. Se a criação da vontade e do entendimento no homem, criação absolutamente diferencial de ser para ser, constituindo sempre uma individualidade inconfundível, fosse um entretenimento do Criador, para mais tarde refundir tudo de novo, poderíamos acusar o Infinito de falta de matéria prima para constituir as ligas necessárias à criação de novos seres humanos, o que seria um absurdo.

                Um Deus que criasse um ser consciente e livre e depois lhe retirasse essa consciência e liberdade - características que são o cunho indelével de Sua Imagem e Semelhança - para obrigá-lo a nascer tantas vezes até atingir um tipo preconcebido obrigatório e único, seria um Deus contraditório. Se a liberdade estivesse parcelada em encarnações provisórias, ela também seria provisória e perderia a semelhança com o Criador. Qualquer de nós, no íntimo profundo de nossa consciência, julgaria a alienação de nossa individualidade como um verdadeiro suicídio. A única coisa que nos faz existir é saber que somos uma consciência e uma individualidade. Seria possível aceitar o desdobramento de nossa consciência em inúmeras outras?

                No dia em que eu soubesse que seria outro, já não seria mais EU, seria NINGUÉM, seria qualquer coisa sem consciência. E um ser sem consciência definida não é mais um ser, é um simples vegetal. A semente reproduz sempre o mesmo fruto, sem nunca o alterar. Há milhares de anos que a semente de cedro produz o cedro e nunca o cipreste. Quando o homem tenta modificar o fruto de uma árvore, ela se torna estéril e parasitária. Para que viva e dê frutos, é necessário enxertá-la no tronco primitivo, mas os frutos assim produzidos já não contêm sementes...

                Também o homem é uma projeção do Pensamento e do Amor Divinos, que o criaram de forma definitiva, com sua consciência e amor dominante, que sempre o acompanharão. Bom ou mau, eu desejo ser sempre EU MESMO e, se para me aperfeiçoar, for preciso ser OUTRO, o aperfeiçoamento não seria meu, mas do outro. A teoria da reencarnação tende à dissolução da individualidade e, destruindo o livre arbítrio, dissolve o ser, estragando a criação. A variedade infinita dos seres humanos teria, segundo essa doutrina, uma finalidade uniforme, perdendo a razão básica de sua criação diferencial, e a grande harmonia desapareceria na grande monotonia...


***************


RESPOSTA DE LAURO DENIS :


Data : 08/08/2003 - 10:26:21
De : Lauro Denis
Assunto : Re : Impossibilidade da Reencarnação


Mago


                Respeito suas argumentações que se revestem de uma nobre Filosofia. Mas não são palavras bonitas que mudarão uma Lei imutável. Posso alterar o enfoque para lhe responder ? Não tenho a sua eloquência, mas procurarei, usando de singelas palavras, demonstrar a impossibilidade de lembrarmos das nossas existências anteriores, enquanto estivermos revestidos desse corpo denso.

                O Espírito é imortal. E este viverá sempre. E é o Espírito, encarnado, que resgata o carma, e não o corpo, como pode parecer à primeira vista. Não se pode dar mais valor à carne, que é passageira, do que ao Espírito, que é eterno. É o próprio Espírito que encarna em várias vidas sucessivas para o resgate !!! O Espírito liberto possui características pouco conhecidas do ser humano. É capaz sim de amoldar-se a um novo corpo, através da magnetização promovida por outros Espíritos que auxiliam na tarefa da volta do Espírito à matéria. Bem, Você diz :


                " Não é, pois, possível admitir o desenvolvimento de fenômenos espirituais sem guardarem harmonia ou correspondência com o desenvolvimento de idênticos fenômenos materiais."..."O espírito ficará sempre, depois de criado, um ser integral e definido, quer se complete no corpo terrestre, quer abandone o corpo prematuramente. Não é um gás qualquer que se possa comprimir ou dilatar, nem um fantasma sem forma. "


                Não é possível admitir ? Não é possivel para quem ? Já leu o Livro de Hernani Guimarães que fala da matéria Psi do Espírito ? Não, Você não leu...

                Estudiosos do Espiritismo, como Hernani Guimarães, um dos maiores Cientistas que o meio acadêmico já conheceu, formulou a teoria do Psi-Quântico, o qual trata de algumas ideias qualitativas da Mecânica Quântica para o que seria a "matéria-Psi" ou matéria de que são constituídas outros seres não perceptíveis à visão material, portanto, não captáveis por lentes e aparelhos construídos pela tecnologia atual. Tal "Matéria-Psi" se difere radicalmente do corpo de carne e de qualquer material conhecido na Terra. Para facilitar o entendimento, sugiro que leia os Livros de Hernani Guimarães, Professor da USP, o qual fala a respeito de corpos espirituais, relacionando a Mecânica Quântica e Atômica aos corpos fluídicos e Espirituais. Neste Livro, saberás que a matéria que compõem os corpos fluídicos difere, e em muito, da nossa. A dimensão em que este tipo de matéria habita não se limita ao espaço tridimensional... Complicado não ? Leia : Psi Quântico, conceitos quânticos e atômicos... São Paulo, 1989. Editora Pensamento.

                Não vou detalhar todas as suas argumentações. Só aquelas que me julgar capacitado ...


                " Segundo tal teoria, um assassino deve voltar a este mundo para ser assassinado. Para isso, é necessário encontrar outro assassino e, assim, indefinidamente. Isso seria multiplicar o mal e transformar uma lei de retaliação em dogma espiritual. Isso seria, em vez de preferir a linha reta da responsabilidade, escolher a linha curva da circunferência, que aprisiona sentimentos negativos."


                A Lei do carma utiliza, em certos casos, da escória da Sociedade, para que cada um salde seus débitos. Se existem estupradores, assassinos, criminosos, etc, é porque ainda vivemos num mundo atrasado, cheio de pessoas ignorantes e pouco evoluídas moral e intelectualmente. Porém, essa “escória” deverá resgatar tudo o que fizer. Passarão por todas as atrocidades que cometeram. Se um indivíduo é vítima de criminosos, é um sinal que, em alguma vida passada, essa pessoa teve ligação com esse tipo de comportamento. Mas, perguntarão os incrédulos : “Mas, isso não tem fim ?” É evidente que sim. À medida que vamos progredindo, à medida que a Sociedade vai adquirindo novos valores morais, os resgates serão outros. A Terra ainda é um mundo de expiação e provas !


                " Um Deus que criasse um ser consciente e livre e depois lhe retirasse essa consciência e liberdade - características que são o cunho indelével de Sua Imagem e Semelhança - para o obrigar a nascer tantas vezes até atingir um tipo preconcebido obrigatório e único, seria um Deus contraditório. Se a liberdade estivesse parcelada em encarnações provisórias, ela também seria provisória e perderia a semelhança com o Criador."


                Talvez, antes de criticar uma Filosofia, Crença ou Religião, deveríamos estudar mais sobre ela. O “Livro dos Espíritos”, questões 392 e 393, responderia a essas elementares dúvidas.


Cap. VII

Esquecimento do passado



Questão 392 - Por que perde o Espírito encarnado a lembrança do seu passado ?

R- “Não pode o homem, nem deve, saber tudo. Deus assim o quer em Sua sabedoria. Sem o véu que lhe oculta certas coisas, ficaria ofuscado, como quem, sem transição, saísse do escuro para o claro. Esquecido de seu passado ele é mais senhor de si. ”


Questão 393 - Como pode o homem ser responsável por atos e resgatar faltas de que se não lembra? Como pode aproveitar da experiência de vidas de que se esqueceu ? Concebe-se que as tribulações da existência lhe servissem de lição, se recordasse do que as tenha podido ocasionar. Desde que, porém, disso não se recorda, cada existência é, para ele, como se fosse a primeira e eis que então está sempre a recomeçar. Como conciliar isto com justiça de Deus ?

R - Em cada nova existência, o homem dispõe de mais inteligência e melhor pode distinguir o bem do mal. Onde estaria seu mérito se se lembrasse de todo o passado? Quando o Espírito volta à vida anterior (a vida espírita), diante dos olhos se lhe estende toda a sua vida pretérita. Vê as faltas que cometeu e que deram causa ao seu sofrer, assim como de que modo as teria evitado. Reconhece justa a situação em que se acha e busca então, uma existência capaz de reparar a que vem de transcorrer. Escolhe provas análogas às de que não soube aproveitar, ou as lutas que considere apropriadas ao seu adiantamento e pede a Espíritos que lhe são superiores que o ajudem na nova empresa que sobre si toma, ciente de que o Espírito, que lhe for dado por guia nessa outra existência, se esforçará pelo levar a reparar suas faltas, dando-lhe uma espécie de intuição das em que incorreu. Tendes essa intuição no pensamento, no desejo criminoso que frequentemente vos assalta e a que instintivamente resistis, atribuindo, as mais das vezes, essa resistência aos princípios que recebestes de vossos pais, quando é a voz da consciência que vos fala. Essa voz, que é a lembrança do passado, vos adverte para não recairdes nas faltas de que já vos fizestes culpados. Em nova existência, se sofre com coragem aquelas provas e resiste, o Espírito se eleva e ascende na hierarquia dos Espíritos, ao voltar para o meio deles.”

Não temos, é certo, durante a vida corpórea, lembrança exata do que fomos e do que fizemos em anteriores existências; mas temos de tudo isso, a intuição, sendo as nossas tendências instintivas uma reminiscência do passado. E a nossa consciência, que é o desejo que experimentamos de não reincidir nas faltas já cometidas, nos concita à resistência àqueles pendores.


Continuando com suas palavras :


                " No dia em que eu soubesse que seria outro, já não seria mais EU, seria NINGUÉM, seria qualquer coisa sem consciência. E um ser sem consciência definida não é mais um ser, é um simples vegetal."


                Uma premissa básica de quem não aceita a Reencarnação, é agarrar-se ferrenha e unicamente à concepção corpórea, entrincheirando-se na matéria, tentando convencer aos indecisos, o que às vezes, até pode surtir algum efeito, pois os sentidos materiais despertam de forma eficaz e rapidamente nosso raciocínio imediato ( não refletido )... Mas esquecem-se de que, em todo esse processo reencarnatório, o que conta é o Espírito, e este é sempre o mesmo, ele não perde a consciência, pois após o desenlace, ele poderá, aos poucos, recordar-se de tudo, conforme sua capacidade, desenvolvimento e merecimento.

                Não vou me estender mais e vou enfocar o problema do esquecimento das existências anteriores. Perdoem-me se serei contundente ...

                Um espírito ao reencarnar, passa por um processo de ocultamento dos fatos passados, mas não o sentimento, caráter e personalidade que perdurou durante toda a sua vida. Se assim não fosse, como explicaríamos crianças, na mais tenra idade, demonstrar habilidades espantosas no campo artístico, intelectual, etc. Já ouvi falar de casos, e creio que muitas pessoas também já ouviram falar, de crianças com 3 ou 4 anos tocarem piano com uma destreza que poucos profissionais da área, com décadas de experiência, conseguem fazer. Tivemos um caso em Minas, de uma criança com 5 anos de idade que demonstrava conhecimentos de Geografia, matemática e conhecimentos gerais que realmente não eram condizentes com os seus poucos anos de vida. Existem escolas para esses super dotados. Como explicar que alguns seres humanos demonstram habilidades muito superior a média, e a demonstram já nos primeiros anos de vida ?

                É claro que os incrédulos e descrentes da Reencarnação dirão que cada pessoa é diferente da outra, por isso, as aptidões são diferentes. Isso é uma explicação simplória e cômoda de quem se opõe, a qualquer custo e de todas as formas, à Reencarnação, pois quando dizem isso, na realidade não explicam absolutamente nada !!!

                Por outro lado, se caso recordássemos claramente o que fizemos na última Reencarnação, poderíamos, conforme cada caso, não ter paz e tranquilidade para levarmos nossa missão à frente.

                Imagine que uma pessoa tenha assassinado uma outra pessoa, um inimigo, um concorrente, por um motivo fútil qualquer. Muito bem. Numa próxima encarnação, essas pessoas são postas para viverem juntas objetivando aplacar o sentimento de ódio e de vingança. Mas, se elas soubessem que assassinaram ou foram assassinadas, elas poderiam viver num clima de harmonia, como manda a Lei de Deus ? A pessoa que foi assassinada na outra vida não poderia, agora, já na nova vida, despertar sentimentos de vingança para com seu algoz ?

                Continuemos com esse caso de assassinato. Digamos que um indivíduo tem, hoje, a consciência de ter assassinado uma pessoa, em existência passada. Ele saberá, então, que poderá "pagar na mesma moeda".

                Pergunto : Ele teria paz em sua vida, sabendo que a qualquer momento poderia ser morto por outra pessoa ??? Ou então, agiria de modo conformado e diria : "Bem, já que eu matei em outra encarnação, e para acabar logo com essa agonia que não me deixa em paz, então devo me expor a todos os perigos para que eu seja morto e assim saldar minha dívida. Então, dessa forma, saberei os motivos pelos quais estou sendo assassinado !!!" ( Pasmem !!! ). Existe raciocínio mais absurdo ??? É assim que os detratores do Espiritismo querem que aconteça ??? É assim que esses detratores acham que se faria justiça ??? Se os indivíduos lembrassem de tudo o que fizeram no passado, teriam que conviver, conforme cada caso, com situações semelhantes a essas, o que seria absolutamente impossível e sem nenhum sentido !!!

                Outro exemplo : Frequentemente nos deparamos com pessoas que vivem nas ruas, famintas e sem abrigo. São realmente pessoas carentes. Observo que são poucos os que param para dar uma esmola ou algum alimento. Esses poucos possuem sentimento de solidariedade e amor ao próximo. A maioria passa pelos mendigos e simplesmente os ignora, pensando consigo mesmas : “Se eu der dinheiro, eles vão se embebedar, comprar tóxico, etc ". Esse tipo de pensamento é cômodo, justifica a sua indiferença pelos mais carentes e alivia a consciência, não é mesmo ? Nem por um instante vem à mente dessas pessoas um sentimento fraterno de ajuda. Essas pessoas demonstram que não são capazes de agir, ESPONTANEAMENTE, com solidariedade e com amor ao próximo.

                Mas se essas mesmas pessoas, possuidoras de dureza no coração, soubessem que aquele mendigo(a) foi seu pai ou sua mãe na última encarnação, o ele que faria ? Certamente o acolheria !!! Mas, isso seria realmente uma demonstração de amor ao próximo, como manda a Lei de Cristo ( amai-vos uns aos outros ) ou um sentimento exclusivo de filho para os pais ?

                Jesus alude bem a esse problema. Observe as Suas Palavras em S. Mateus, cap. V, v v. 43 a 47 :

                “Aprendestes que foi dito: Amareis o vosso próximo e odiareis os vossos inimigos.” Eu, porém, vos digo : “Amai os vossos inimigos; fazei o bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos perseguem e caluniam, a fim de serdes filhos do vosso Pai que está nos céus e que faz se levante o Sol para os bons e para os maus e que chova sobre os justos e os injustos. - Porque, se só amardes os que vos amam, qual será a vossa recompensa ? Não procedem assim também os publicanos ? Se apenas os vossos irmãos saudardes, que é o que com isso fazeis mais do que os outros? Não fazem outro tanto os pagãos ? ”


                Pergunto : Preciso dizer mais ?


Lauro


***************



NOVA RESPOSTA DE MAGO :


Data : 24/08/2003 - 13:01:41
De : Mago
Assunto : Re : Re: Impossibilidade da Reencarnação


Desculpe pela demora em responder....... Ando meio ocupado...
Obrigado por sua resposta.
Vamos as questões.



                "A Lei do karma utiliza, em certos casos, da escória da Sociedade, para que cada um salde seus débitos. Se existem estupradores, assassinos, criminosos, etc, é porque ainda vivemos num mundo atrasado, cheio de pessoas ignorantes e pouco evoluídas moral e intelectualmente. Porém, essa “escória” deverá resgatar tudo o que fizer. Passarão por todas as atrocidades que cometeram. Se um indivíduo é vítima de criminosos, é um sinal que, em alguma vida passada, essa pessoa teve ligação com esse tipo de comportamento. Mas, perguntarão os incrédulos : “Mas, isso não tem fim ?” É evidente que sim. À medida que vamos progredindo, à medida que a Sociedade vai adquirindo novos valores morais, os resgates serão outros. A Terra ainda é um mundo de expiação e provas !"


                Eu vou dar um exemplo para você entender melhor essa questão... Se formos levar em consideração a lei do KArma, poderiamos presumir que os assassinos, os estupradores e os bandidos não estao totalmente errados, pois se não há injustiça, ao cometerem os crimes, eles estão simplesmente fazendo as vítimas pagarem por seus erros (já que Deus é justo e perfeito). Se por exemplo, uma pessoa dá um tiro na outra: Ela está adquirindo karma negativo ou simplesmente está sendo um objeto de justiça ?


                "Imagine que uma pessoa tenha assassinado uma outra pessoa, um inimigo, um concorrente, por um motivo fútil qualquer. Muito bem. Numa próxima encarnação, essas pessoas são postas para viverem juntas objetivando aplacar o sentimento de ódio e de vingança. Mas, se elas soubessem que assassinaram ou foram assassinadas, elas poderiam viver num clima de harmonia, como manda a Lei de Deus ? A pessoa que foi assassinada na outra vida não poderia, agora, já na nova vida, despertar sentimentos de vingança para com seu algoz ?"


                Pode até ser que elas se entendam em uma outra existencia, já que não se lembram. Mas ao voltar para a condicao de espírito? Qual seria a sua reacao ao se lembrar que foi aquela que o assassinou e que depois em outra existencia conviveu com ela sem se lembrar... O perdão deveria ser um mérito e não uma imposição... Se a pessoa não se lembrar que foi aquela que em uma outra existencia o assassinou, não terá condições de despertar para um perdão verdadeiro, pois nem ao menos sabe quem é aquela outra pessoa. Quando uma pessoa nos fere de alguma maneira, como a podemos perdoar se nem ao menos nos lembramos que essa pessoa nos feriu? Poder-se-ia conviver harmoniosamente com ela (pois não se lembra), mas não seria por mérito nem bondade... É a mesma coisa que eu ficar com aminésia e alguem vir me pedir perdão. Poderia até perdoa-la aquela hora, mas seria mais meritorio esperar recobrar minha memória para que o perdão pudesse ser verdadeiro.


                "Pergunto : Ele teria paz em sua vida, sabendo que a qualquer momento poderia ser morto por outra pessoa ??? Ou então, agiria de modo conformado e diria : "Bem, já que eu matei em outra encarnação, e para acabar logo com essa agonia que não me deixa em paz, então devo me expor a todos os perigos para que eu seja morto e assim saldar minha dívida. Então, dessa forma, saberei os motivos pelos quais estou sendo assassinado !!!" ( Pasmem !!! ). Existe raciocínio mais absurdo ??? É assim que os detratores do Espiritismo querem que aconteça ??? É assim que esses detratores acham que se faria justiça ??? Se os indivíduos lembrassem de tudo o que fizeram no passado, teriam que conviver, conforme cada caso, com situações semelhantes a essas, o que seria absolutamente impossível e sem nenhum sentido !!!"


                Não concordo com o que dizes.....
Quando uma pessoa vai presa por exemplo, ela sabe porque está sendo presa... Se ela cometeu um delito, é natural que ela pague o delito conscientemente. Aliás, essa pessoa cometeu um delito porque quis. Então que pague.

                Imagine como se sentiria uma pessoa que ao perder a memória, fosse condenada a pena de morte, ou a prisão perpétua. Certamente ele indagaria sobre a justiça nesse caso. No exemplo que você deu, na minha humilde opinião, seria bem mais justo que o assassino se lembrasse do que cometeu, para poder pagar com a consciencia de que cometeu. Você disse que ele não teria paz porque ia saber que ia ser assassinado. MAs o fato dele não ter paz já não poderia significar aí um castigo? Ora, ele assassinou porque quis, ele usou de seu livre arbítrio. Quereria então ter paz depois de matar alguem? Eu acho que não.

                Você pergunta também se é assim que se faria justiiça. Na minha opinião, sim, pois nos lembrando do que fizemos, teríamos a consciência de que estamos pagando exatamente pelo que estamos fazendo. Sofrendo sem saber porquê, nos dá a impressão de que estamos pagando pelo erro de outro. Tendo consciência de nós mesmos (de todas as nossas encarnações) saberíamos em que erramos e ao adquirir uma melhor evolução moral, procuraríamos consertar nosso erro. Aonde o mérito de nos reconciliar com pessoas que ferimos, se (encarnados) nem nos lembramos o que essa pessoa exatamente representa pra nós? Que proveito tem recuperar a consciência s''o no mundo espiritual?


                "Mas se essas mesmas pessoas, possuidoras de dureza no coração, soubessem que aquele mendigo(a) foi seu pai ou sua mãe na última encarnação, o ele que faria ? Certamente o acolheria !!! Mas, isso seria realmente uma demonstração de amor ao próximo, como manda a Lei de Cristo ( amai-vos uns aos outros ) ou um sentimento exclusivo de filho para os pais ?"


                Concordo com você. Não temos a capacidade de amar espontaneamente. Mas se não temos essa capacidade, seria melhor amarmos "obrigados"?

                Bem, mais uma vez agradeço a sua resposta e espero que me respondas.


***************


LAURO DENIS VOLTA A RESPONDER :


Data : 25/08/2003 - 15:30:44
De : Lauro Denis
Assunto : Re : Re : Re: Impossibilidade da reencarnação


Prezado Amigo ( Mago )


                Também vou intercalar minhas respostas às suas assertivas :


                " Eu vou dar um exemplo para você entender melhor essa questão... Se formos levar em consideração a lei do KArma, poderiamos presumir que os assassinos, os estupradores e os bandidos não estao totalmente errados, pois se não há injustiça, ao cometerem os crimes, eles estão simplesmente fazendo as vítimas pagarem por seus erros (já que Deus é justo e perfeito). Se por exemplo, uma pessoa dá um tiro na outra: Ela está adquirindo karma negativo ou simplesmente está sendo um objeto de justiça? "

                RESPOSTA : Os assassinos e estupradores estão totalmente errados sim ! Seria ilógico pensar que eles estão praticando um bem, por nos fazer resgatar nossos erros do passado. Mas é como Eu já disse : "A lei do carma usa a escória da Sociedade, em certos casos, para que haja o resgate ..."

                Ou seja, nossa Sociedade ainda é muita atrasada. Está cheia de bandidos e criminosos, infelizmente ( uns usam armas, outros, o colarinho branco ). E eles existem não para cumprir um desígnio de Deus. Não ! Definitivamente Não !!! Eles são assim porque escolheram o caminho fácil e não querem saber de ganhar salário mínimo, mas vivendo honestamente e com dignidade. Eles preferem o crime e o tráfico, o desvio de verbas para suas contas no exterior, o que lhes proporcionam riqueza e poder. Deus NUNCA faria um ser se tornar criminoso para que houvesse resgates de carmas de outras pessoas. E vivendo assim, esses facínoras e corruptos acabam, às vezes, cruzando o caminho de pessoas que são honestas nesta vida, e aí o resgate ocorre.

                É certo, que nada acontece por acaso. Senão, seria uma total injustiça. A Espiritualidade Superior programa muito ( não tudo ) do que acontece em nossas Vidas. Se cometemos um erro em vidas anteriores, resgataremos o erro nessa ou nas vidas seguintes, depende de cada caso. Mas quero deixar bem claro que a Lei do retorno não é implacável. Se praticarmos o bem, procurando, de livre e espontânea vontade, o benefício do próximo, estaremos suavizando os nossos resgates. Certa vez li uma história de um homem que só praticava o bem. Era pobre, mas o pouco que tinha, procurava repartir com os outros. Ele era Kardecista. Fazia artesanatos, e com a renda, ajudava os mais carentes. Viveu praticamente toda a sua vida assim, humildemente.

                Certa vez ele estava cortando um pedaço de madeira com serra elétrica e acidentalmente decepou um de seus dedos. Seus amigos souberam do fato e não se conformavam. Como um bom Homem desses, que só pratica o bem, tem essa sorte ? Um dia, nas costumeiras reuniões, da Sociedade Espírita que eles frequentavam, um Mentor Espiritual disse que em uma outra vida, esse artesão era um fazendeiro, dono de escravos. E ele era frio e estupidamente mau. Ele, em certos casos, castigava seus escravos cortando-lhes os braços !!! Muito bem. Este artesão está agora em uma nova vida e veio para resgatar seus débitos da mesma maneira, ou seja, ele também iria perder os braços num acidente. Só que, a sua conduta cristã e prática da caridade, ajudou-lhe a amenizar o resgate que teria de cumprir. E ele, ao invés de perder os braços, só teve um dos dedos decepados ...

                E também, só para finalizar essa parte : Se soubéssemos que iríamos ser assaltados, mortos ou torturados, não conseguiríamos viver de forma equilibrada e não conseguiríamos cumprir nossa missão aqui na Terra. NÃO ESTAMOS AQUI SÓ PARA RESGATAR CARMAS !!! Viemos em missão designada por Deus. E esta vai se desenhando aos poucos, conforme vamos levando nossas vidas. Muitas pessoas, que tivessem resgates desse nível ( e se lembrassem de suas vidas passadas e as dívidas que teriam que saldar ), acabariam num sanatório, com distúrbios de paranóia, pois acharia que, a cada segundo, poderia aparecer alguém para lhe torturar, matar, etc. Uma pessoa assim, se isolaria. Não sairia de casa, com medo de tudo e de todos.

                Penso que é fácil, argumentar teoricamente, que seria melhor saber os erros do passado, para que nesta vida, soubesse o que estava pagando. É como Eu disse, na teoria, isso parece fácil e correto, mas na prática, a vida seria um tormento sem fim ...


                " Pode até ser que elas se entendam em uma outra existencia, já que não se lembram. Mas ao voltar para a condicao de espírito? Qual seria a sua reacao ao se lembrar que foi aquela que o assassinou e que depois em outra existencia conviveu com ela sem se lembrar... O perdão deveria ser um mérito e não uma imposição... Se a pessoa não se lembrar que foi aquela que em uma outra existencia o assassinou, não terá condições de despertar para um perdão verdadeiro, pois nem ao menos sabe quem é aquela outra pessoa. Quando uma pessoa nos fere de alguma maneira, como a podemos perdoar se nem ao menos nos lembramos que essa pessoa nos feriu? Poder-se-ia conviver harmoniosamente com ela (pois não se lembra), mas não seria por mérito nem bondade... É a mesma coisa que eu ficar com aminésia e alguem vir me pedir perdão. Poderia até perdoa-la aquela hora, mas seria mais meritorio esperar recobrar minha memória para que o perdão pudesse ser verdadeiro."

                RESPOSTA : As pessoas que tinham débitos entre si numa vida anterior e viveram outra vida em harmonia, desenvolverão sentimentos de amor e respeito vivenciados na nova vida, acabando por infundir sentimentos nobres nos espíritos dessas mesmas pessoas, o que aplaca os sentimentos baixos de vingança e ódio. E quando se reencontrarem no Mundo Espiritual, o que vai prevalecer será o clima de harmonia e amor experimentados em suas últimas existências. Poderão até se lembrar do ódio de outras vidas, mas será uma leve e desagradável lembrança, sepultada definitivamente pelo amor, Lei maior de Deus. O amor desperto na nova vida nos dá condições de perdoar de coração nossos semelhantes, e não perdoar da boca "pra" fora.


                Você diz : "O perdão deveria ser um mérito, e não uma imposição"


                Pergunto : É isso o que Você vê comumente por aí ??? As pessoas se perdoando e se respeitando em qualquer meio social ??? Bem, o que vemos não é bem isso. O ser humano, de um modo geral, ( é claro que não é regra para todos ), ainda dá mais vazão aos seus sentimentos de orgulho, vaidade, inveja, etc, do que aos sentimentos puros de amor e perdão. Por isso, às vezes, só mesmo esquecendo as atrocidades do passado é que conseguiremos, numa nova vida, viver e cumprir nossa missão em harmonia com os nossos semelhantes.


                " Não concordo com o que dizes.....
Quando uma pessoa vai presa por exemplo, ela sabe porque está sendo presa... Se ela cometeu um delito, é natural que ela pague o delito conscientemente. Aliás, essa pessoa cometeu um delito porque quis. Então que pague. Imagine como se sentiria uma pessoa que ao perder a memória, fosse condenada a pena de morte, ou a prisão perpétua. Certamente ele indagaria sobre a justiça nesse caso. No exemplo que você deu, na minha humilde opinião, seria bem mais justo que o assassino se lembrasse do que cometeu, para poder pagar com a consciencia de que cometeu.

                Você disse que ele não teria paz porque ia saber que ia ser assassinado. MAs o fato dele não ter paz já não poderia significar aí um castigo? Ora, ele assassinou porque quis, ele usou de seu livre arbítrio. Quereria então ter paz depois de matar alguem? Eu acho que não. Você pergunta também se é assim que se faria justiiça. Na minha opinião, sim, pois nos lembrando do que fizemos, teríamos a consciência de que estamos pagando exatamente pelo que estamos fazendo. Sofrendo sem saber porquê, nos dá a impressão de que estamos pagando pelo erro de outro. Tendo consciência de nós mesmos (de todas as nossas encarnações) saberíamos em que erramos e ao adquirir uma melhor evolução moral, procuraríamos consertar nosso erro. Aonde o mérito de nos reconciliar com pessoas que ferimos, se (encarnados) nem nos lembramos o que essa pessoa exatamente representa pra nós? Que proveito tem recuperar a consciência s''o no mundo espiritual? "



                RESPOSTA : Se me permite, também não concordo com sua visão. Materialmente falando, pode até ser que Você tenha razão. Mas não podemos nos esquecer que somos Espírito revestido de corpo. O mais importante não é a matéria. Pensando assim, parece que a justiça só se faz presente quando estamos na carne, vivos aqui na Terra. A visão material não consegue enxergar que é o Espírito que resgata as dívidas contraídas. É o espírito que sofre quando passamos por dificuldades, e não o corpo. Mas os materialistas vão dizer que é o corpo que sente as dores. Engano ! O corpo transmite as dores ao Espírito e este as sente. É claro que, biologicamente, as condições orgânicas determinam que tipo de impulsos são levados ao cérebro. Do ponto de vista material, não há dúvidas. Mas esse raciocínio acaba aí. Os céticos não caminham adiante para perceber que a dor, seja ela moral ou física, é sentida totalmente pelo Espírito, e é nessas condições em que o resgate ocorre.

                Repito : Teoricamente, é simples e cômodo dizer que é melhor saber o porquê de cada resgate. Mas na prática do dia-a-dia, seria impossível, devido às implicações que Eu já citei. E volto a lembrar : NÃO ESTAMOS AQUI SÓ PARA RESGATAR CARMAS. Temos, por outro lado, uma missão determinada por Deus. E não teríamos Paz, tranquilidade e equilíbrio para cumprir tal missão, se soubéssemos que a cada instante, poderíamos ser assassinados ou torturados por um bandido ou traficante.

                Lembra-se da história do artesão citada anteriormente ? Imagine se Ele soubesse que cometeu aquelas atrocidades com os escravos em vidas anteriores e que agora, na nova vida, ele iria perder seus braços num acidente. Por acaso, Ele teria Paz e equilíbrio para praticar a caridade ? Ele acharia que a qualquer momento um criminoso faria isso com ele ou talvez o resgate acontecesse num acidente, até mesmo na serraria onde ele trabalhava. Aí, ele não iria mais querer manipular uma serra, não sairia mais de casa e consequentemente, não ajudaria ninguém e nem mesmo poderia aliviar o seu resgate, como realmente acabou acontecendo.


                " Concordo com você. Não temos a capacidade de amar espontaneamente. Mas se não temos essa capacidade, seria melhor amarmos "obrigados"? "

                RESPOSTA : E então, se não temos essa capacidade, como vamos adquiri-la ? Deus, vai nos dar "de bandeja" tudo o que precisamos ? Ora, é claro que não. "Ajuda-te e Deus te ajudará". Deus nos dá o livre-arbítrio e a capacidade de agir. Com isso, e com as condições previamente preparadas pela Espiritualidade Superior, vamos aos poucos, desenvolvendo nossa capacidade de amar e de nos auxiliar mutuamente.

                E o indivíduo não é obrigado e nem forçado a nada ! O esquecimento de sentimentos negativos do passado possibilita cultivarmos bons sentimentos que estavam latentes em nosso ser, esperando a chance de florescer, mas que estavam sufocados pelo ódio, vaidade e orgulho.

                Certa vez, li em um dos Livros de André Luiz, psicografados por Chico Xavier, que a maioria dos Espíritos que retornam à Terra, não conseguem cumprir a finalidade a que se propuseram. Isso acontece porque, mesmo não tendo o peso na consciência dos atos do passado, as pessoas se deixam levar pela ambição desenfreada, pelo orgulho e sentimentos menos nobres. Imagine então se soubessem o que fizeram no passado ...

                Mas, como Eu disse, o que importa é o Espírito. E esse é eterno. É esse que, no fundo, resgata os carmas, embora não pareça à primeira vista. A impressão imediata nos diz que é o corpo, que somos uma pessoa resgatando dívidas que outra pessoa cometeu em vidas pregressas. Mas como Eu expliquei, não é bem assim. Basta que tenhamos os olhos voltados para os Desígnios de Deus e sua Infinita Bondade e Justiça, que sempre nos dá chance de nos recuperarmos.

                E um dia, todos chegaremos ao Pai, pois Ele quer que todos nos salvemos. E quem e o que poderão contra a Sua Vontade ? Por isso Ele fez nossos Espíritos imortais, e para fazer funcionarem a Sua Misericórdia e o Seu Amor, deu-nos a eternidade, um tempo sem fim, para que todos possamos nos voltar para Ele !

                Obrigado. Que Deus o proteja sempre, Amigo.


***************


POR FIM, MAGO RESPONDE :


Data : 26/08/2003 - 23:36:27
De : Mago
Assunto : Re : Re : Re: Re: Impossibilidade da reencarnação


                Muito obrigado.... Suas respostas foram esclarecedoras.

                Não pense que tenho nada de pessoal contra o espiritismo. Se estou falando da doutrina especificamente, pois os espíritas são os únicos religiosos que dão condições para um debate mais lógico, mais sadio. Não sou um cético, sou um agnóstico procurando me aprofundar mais em todas as religiões para procurar um caminho. Mas essa caminhada vai ser um pouco árdua, pois sou cético em relação a muitas coisas.

                Também não sou leigo em relação a doutrina espírita. Já li algumas obras básicas e livros de León Denis. Mas tenho ainda algumas dúvidas e debates como esse são importantes para meu esclarecimento.

Obrigado !

***************


LAURO RESPONDE, TERMINANDO :


Data : 27/08/2003 - 10:15:41
De : Lauro Denis
Assunto : Re : Re : Re: Re: Re: Impossibilidade da reencarnação


Caríssimo Amigo


                Esteja sempre à vontade para expor sua opinião e esclarecer o que for necessário. Será sempre um prazer conversar, mesmo que virtualmente, com alguém disposto a um diálogo fraterno e amigo.

                Fique com Deus e Tudo de Bom.

Lauro Denis












A Fé raciocinada e a Fé cega. O que significam ?            Padre Quevedo : Os seus Livros seriam os melhores do mundo ???            Assista ao Vídeo : O Vaticano já admite a comunicação com os Espíritos !!!            A lógica do Espiritismo frente à parapsicologia arcaica do Sr. Quevedo            Enfoques Religiosos e Científicos a respeito da existência de Adão e Eva            Católicos e Protestantes expõem seus argumentos contra o Espiritismo            Os originais em Hebraico e as divergências com as Bíblias atuais            Antigamente, a Igreja Católica aceitava a Reencarnação ...            Você sabia disso ???


PARA TOMAR CONHECIMENTO DESSES ASSUNTOS E MUITOS OUTROS, CLIQUE NO QUADRO ABAIXO :



Free Web Hosting